CLAYTON DE SOUZA/ESTADÃO
CLAYTON DE SOUZA/ESTADÃO

Mercados mundiais vão se recuperar, mas movimento no Brasil será mais lento

Para Gustavo Loyola, ex-presidente do Banco Central, País é punido também pela ausência do grau de investimento e provável não aprovação da reforma da Previdência

Reuters

06 Fevereiro 2018 | 19h27

A má situação fiscal e incertezas eleitorais cobraram do Brasil um preço mais alto do que outros países emergentes durante o forte ajuste nos mercados mundiais provocado pela expectativa de que os Estados Unidos elevarão mais os juros, avaliou o ex-presidente do Banco Central Gustavo Loyola.

E a recuperação nos mercados financeiros globais virá no curto prazo, com o Brasil seguindo essa tendência mas de forma menos intensa. Mesmo assim, Loyola não espera fuga de capitais dos mercados brasileiros.

“Notadamente, o Brasil não tem muito o que entregar este ano em termos de política”, disse ele à Reuters nesta terça-feira, 6, acrescentando que o Brasil é mais punido que outros países também pela ausência do grau de investimento e provável não-aprovação da reforma da Previdência agora.

++ Presidente da Câmara confirma votação da Previdência no próximo dia 20

“Temos eleição (presidencial) que está absolutamente incerta, que pode recolocar em Brasília um governo populista e pouco comprometido com responsabilidade macroeconômica, e não estamos conseguindo fazer reforma da Previdência, que a essa altura foi para o vinagre”, afirmou.

Neste cenário, o Brasil está menos preparado para enfrentar soluços no mercado internacional, pois isso leva investidores a se afastarem de ativos de maior risco.

Desde o início do movimento de correção nas bolsas norte-americanas, na sexta-feira, 2, o índice IPC da Bolsa Mexicana caiu 2,43% até por volta das 16:15 (horário de Brasília) neste pregão, enquanto o Ibovespa, principal índice da bolsa paulista, perdeu 2,79%.

Ainda assim, ressaltou Loyola, o país não deve sofrer fuga de investidores e de capital estrangeiros.

++ Cotação do bitcoin cai para menos de US$ 6 mil, estendendo movimento de desvalorização

“As notícias não são maravilhosas, mas a economia está se recuperando, as empresas dando resultados positivos, isso ajuda a bolsa”, disse. “Por outro lado, o risco eleitoral está aí presente. O mercado recebeu bem a condenação do ex-presidente Lula, mas está muito longe de ter clareado o cenário eleitoral.”

Ajuste. Depois de fortes ganhos ao longo do ano passado, Wall Street deu início a um ajuste dos preços de ações e de Treasuries norte-americanos, mas em breve deve retornar à tendência de alta nos papéis corporativos e soberanos na maior parte das grandes economias, apontou Loyola.

“As economias estão indo bem, não tem nada que tenha mudado substancialmente. Não tem nenhum fator substantivo do ponto de vista econômico para explicar a queda.”

++ Goldman Sachs anuncia Maria Silvia Bastos Marques como nova presidente do banco

A criação de vagas de trabalho nos Estados Unidos avançou em janeiro e os salários cresceram ainda mais, maior ganho anual em mais de oito anos e meio, ampliando expectativas de que a inflação vai acelerar neste ano e, assim, alimentando expectativas de que os juros na maior economia do mundo podem subir mais rapidamente.

A expectativa de mais altas nos juros levou à correção nos mercados dos EUA, potencializada por negociações eletrônicas e algoritmos, o que gera repercussão em outros mercados, afirmou Loyola.

“A inflação está bem tranquila, já tem pressão salarial, mas não estamos vendo algo que vai exigir ajuste muito mais forte (nos juros norte-americanos)”, afirmou.

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.