Coluna

Thiago de Aragão: China traça 6 estratégias para pós-covid que afetam EUA e Brasil

Mercados no Brasil tentam recuperação

O cenário externo continua influenciando os negócios no mercado financeiro no Brasil hoje. Porém, é cada vez maior a expectativa de que haja uma dissociação entre as notícias negativas do exterior e o desempenho das operações internamente. Ontem, o resultado do mercado financeiro brasileiro no final do dia já sinalizou essa tendência. Apesar da queda da Nasdaq - bolsa que negocia papéis do setor de tecnologia e Internet -, de 0,49%, a Bovespa fechou em alta de 0,93% e o dólar recuou 0,20%. Porém, a influência negativa que o cenário externo vem apresentando sobre os negócios no Brasil não foi totalmente afastada. O economista-chefe do banco de investimentos Morgan Stanley Dean Witter, Stephen Roach, declarou ontem que os Estados Unidos já estão em recessão e que há 45% de chance de que esse cenário contamine o mundo todo ainda este ano. O cenário traçado pelo executivo é o grande temor dos analistas, que colocam em dúvida a habilidade do banco central norte-americano (FED) em desaquecer a economia do país sem provocar uma recessão.Abertura do mercado financeiro No início dessa terça-feira, o mercado financeiro no Brasil começou com tendência positiva. A Bolsa de Valores de São Paulo (Bovespa) opera em alta de 2,02%. O dólar comercial está cotado a R$ 1,9470 na ponta de venda dos negócios - queda de 0,21% em relação às últimas operações de ontem. Os contratos de juros de DI a termo - que indicam a taxa prefixada para títulos com período de um ano - começam o dia pagando juros de 16,270% ao ano, frente a 16,390% ao ano registrados ontem. Diante das boas perspectivas, o governo federal anunciou, ontem, a segunda emissão de títulos brasileiros no exterior. O volume de papéis ainda não foi definido, mas já sabe-se que serão vendidos no mercado europeu. Na semana passada, o governo fechou uma operação de lançamento de títulos nos Estados Unidos no valor de US$ 1,5 bilhão. A intenção do governo é emitir entre US$ 5 bilhões e US$ 7 bilhões no exterior até dezembro.

Agencia Estado,

09 de janeiro de 2001 | 11h11

Encontrou algum erro? Entre em contato

Tendências:

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.