Mercados operam com cautela na abertura do dia

Os mercados começam o dia em compasso de espera depois de apresentarem uma reação positiva às boas notícias divulgadas no cenário interno ontem (veja mais informações no link abaixo). Mas, dadas as incertezas no cenário internacional - crise argentina, ritmo da atividade econômica norte-americana e conflitos na Ásia Central -, a tendência favorável ainda pode ser abalada com notícias negativas.Na Argentina, a situação econômica do país revela uma profunda fragilidade. O país não tem recursos suficientes para honrar dívidas que vencem ainda este mês. A necessidade imediata do país é de US$ 1,606 bilhão e, caso o Fundo Monetário Internacional (FMI) não altere sua decisão previamente anunciada de não antecipar a parcela de recursos prevista para dezembro, de US$ 1,260 bilhão, a situação do país vizinho vai ficar ainda pior. Hoje, a taxa de risco da Argentina voltou a subir e ultrapassou o patamar dos 3 mil pontos-base.A perspectiva de que a arrecadação argentina apresente um recuo de 16% em novembro diminui a confiança dos investidores em relação à Argentina. O presidente Fernando De la Rúa tenta amenizar o quadro e anunciou cortes no orçamento de 2002, em torno de US$ 3,8 bilhões e acredita que pode conseguir economizar US$ 3,7 bilhões com o pagamento de juros, caso a operação de troca de títulos da dívida argentina com juros anuais de 11% a 15% por papéis com taxas de 7% ao ano seja aceita por bancos e fundos de pensão. O prazo para as adesões à troca vai até sexta-feira, mas é possível que este objetivo não seja alcançado, já que os investidores mantêm-se muito céticos em relação ao país vizinho.Reunião do Copom começa hojeO Comitê de Política Monetária (Copom) reúne-se a partir de hoje para reavaliar a Selic, a taxa básica de juros da economia, atualmente em 19% ao ano. A maioria dos analistas aposta em manutenção dos juros. Mas a melhora das perspectivas para a necessidade de financiamento do país no próximo ano, a queda das cotações do dólar e o recuo do preço do petróleo fizeram com que alguns analistas passassem a acreditar em uma redução dos juros nesta reunião. A decisão será anunciada amanhã, após os fechamentos dos mercados. Veja os números do mercado financeiroO dólar comercial está cotado a R$ 2,5380 na ponta de venda dos negócios, com alta de 0,71% em relação aos últimos negócios de ontem. A Bolsa de Valores de São Paulo (Bovespa) opera com queda de 0,35%. No mercado de juros, os contratos de juros de DI a termo - que indicam a taxa prefixada para títulos com período de um ano - pagam juros de 20,100% ao ano, frente a 19,980% ao ano ontem.Não deixe de ver no link abaixo as dicas de investimento, com as recomendações das principais instituições financeiras, incluindo indicações de carteira para as suas aplicações, de acordo com o perfil do investidor e prazo da aplicação. Confira ainda a tabela resumo financeiro com os principais dados do mercado.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.