Mercados operam com pessimismo

A queda de um avião da American Airlines nos arredores do Aeroporto John Fitzgerald Kennedy, em Queens, Nova York, mudou o cenário nos mercados. Apesar de não ser reconhecido como mais um ataque terrorista, a queda do avião reacendeu o pânico dos investidores. As bolsas em Nova York reagiram com queda e as ações de empresas aéreas caíram com força.Há pouco, o Dow Jones - Índice que mede a variação das ações mais negociadas na Bolsa de Nova York - estava em queda de 1,61%, e a Nasdaq - bolsa que negocia ações de empresas de alta tecnologia e informática em Nova York - operava com baixa de 1,25%. O avião da American Airlines voava para Santo Domingo, na República Dominicana, transportando 256 pessoas, incluindo 9 tripulantes. O aparelho caiu momentos depois de decolar do Aeroporto JFK. Até as 13h39 (de Brasília), não havia nenhum indicativo de que a queda tivesse alguma ligação com ações terroristas. Autoridades do FBI informaram que estavam investigando se houve uma explosão no avião e se esse problema foi causado por sabotagem ou falha mecânica.No Brasil, a Bolsa de Valores de São Paulo (Bovespa) também passou a operar no terreno negativo e, no início da tarde, estava em queda de 2,80%. O dólar comercial para venda está cotado a R$ 2,5650, com alta de 1,02%. Os contratos de juros de DI a termo - que indicam a taxa prefixada para títulos com período de um ano - pagam juros de 21,200% ao ano, frente a 20,610% ao ano registrados na sexta-feira. Não deixe de ver no link abaixo as dicas de investimento, com as recomendações das principais instituições financeiras, incluindo indicações de carteira para as suas aplicações, de acordo com o perfil do investidor e prazo da aplicação. Confira ainda a tabela resumo financeiro com os principais dados do mercado.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.