Mercados: opiniões divididas sobre Copom

O mercado financeiro termina a semana dividido entre a manutenção e a alta da taxa básica de juros (Selic), que está em 15,75% ao ano. A decisão será anunciada na próxima quarta-feira (18), quando o Comitê de Política Monetária (Copom) reúne-se para reavaliar a taxa. A última decisão do Copom, que promoveu a elevação dos juros em 0,5 ponto porcentual, surpreendeu os analistas. Diante disso, em seus negócios, os investidores preferem apostar em taxas de juros prefixadas mais altas. Há pouco, os contratos de juros de DI a termo - que indicam a taxa prefixada para títulos com período de um ano - pagam juros de 20,172% ao ano, frente a 19,318% ao ano registrados ontem. No cenário externo, os números norte-americanos divulgados no início dessa manhã, confirmando o desaquecimento econômico do país, tiveram um impacto negativo nas bolsas de Nova York. Isso porque a desaceleração da economia diminui as projeções de lucro das empresas e tem impacto imediato no preço das ações em bolsa (veja mais informações no link abaixo).Porém, houve uma reversão dessa tendência. Os investidores começaram a apostar em uma redução dos juros antes da próxima reunião do banco central dos Estados Unidos (Fed), em 15 de maio. No início da tarde, a Nasdaq - bolsa dos Estados Unidos que negocia papéis do setor de tecnologia e Internet - estava em alta de 2,02% e o Dow Jones - índice que mede a valorização das ações de empresas mais negociadas na bolsa de Nova York - estava em alta de 0,47%. No Brasil, a Bolsa de Valores de São Paulo está em queda de 1,38%. O dólar mantém-se em alta e há pouco estava cotado a R$ 2,1660 na ponta de venda dos negócios - alta de 0,51% em relação aos últimos negócios de ontem.Veja no link abaixo a tabela resumo financeiro com os principais dados do mercado.

Agencia Estado,

12 de abril de 2001 | 15h23

Encontrou algum erro? Entre em contato

Tendências:

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.