finanças

E-Investidor: "Você não pode ser refém do seu salário, emprego ou empresa", diz Carol Paiffer

Mercados: perspectivas para a próxima semana

A semana no mercado financeiro começa com a divulgação das notícias que serão veiculadas pela imprensa no final de semana. O grande temor dos investidores é de que sejam reveladas informações que pesem de forma negativa contra o governo federal, principalmente em função das últimas declarações do ex-presidente do Senado Antonio Carlos Magalhães (PFL-BA).O senador baiano já marcou data e horário para a sua renúncia - quarta-feira, 16h - e, segundo apurou a repórter Cida Fontes, ele declarou que não vai poupar o presidente Fernando Henrique Cardoso no discurso que fará ao anunciar a sua renúncia. Nas mesas de operação, durante o dia, correu o boato de que ACM ressuscitaria o caso Eduardo Jorge, o ex-secretário especial da Presidência da República, acusado de envolvimento em irregularidades administrativas.Além da dimensão que a crise política pode tomar, os investidores devem ter mais uma semana marcada por tentativas por parte do governo em estruturar as medidas de racionamento de energia no País. Mas a gravidade do problema é muito grande para que, em poucos dias, a Câmara de Gestão da Crise de Energia Elétrica (CGCE) chegue a uma conclusão para o problema.Sem energia, todas as estimativas de crescimento para o País nesse ano ficam comprometidas. Com isso, as primeiras conseqüências possíveis são redução nos postos de trabalho, inflação e diminuição do investimento direto. Para o mercado financeiro, isso significa perspectiva de alta para as cotações do dólar, queda no preço das ações e alta nas taxas de juros.Mercado financeiro deve continuar instávelA cotação do dólar sobe porque os investidores aumentam a procura por moeda norte-americana como forma de segurança (hedge) contra as incertezas do cenário. Aliado ao aumento da demanda, cai a oferta de dólares por conta da diminuição da entrada de recursos estrangeiros no País. Também com a queda na produção, diminui a entrada de dólares provenientes das exportações.Na Bolsa de Valores de São Paulo (Bovespa), a expectativa de queda na produção das empresas reduz a projeção de ganho com as ações, pois o lucro das companhias é reduzido. As incertezas também inibem a entrada de recursos novos e provoca também a migração de recursos desse mercado para ativos com risco menor, diminuindo o volume de negócios na Bolsa. Os juros mantêm-se em patamares elevados para evitar a saída de recursos do País. Além disso, a equipe econômica, cada vez mais preocupada com o impacto da alta do dólar sobre os índices de inflação, vem elevando a taxa básica de juros (Selic). Nas últimas três reuniões mensais , o Comitê já subiu a taxa em 1,5 ponto porcentual - de 15,25% para 16,75% ao ano. A próxima reunião do Copom está marcada para 19 e 20 de junho. Argentina: país precisa crescer e cortar gastosA situação do país vizinho tem influência menor no mercado financeiro na próxima semana. A menos que aconteça um fato novo na Argentina, o cenário interno deve comandar os negócios no mercado financeiro no Brasil. Os detalhes da operação de troca (swap) dos papéis da dívida argentina de curto por títulos com vencimento mais longo já foram anunciados. A única expectativa fica por conta do volume, que deve ser anunciado no dia 4 de junho. As indicações apontam para um total de até US$ 20 bilhões.Analistas consideram que, apesar da operação de swap na Argentina, as incertezas em relação ao país vizinho não foram afastados, ou seja, ainda há o risco de que o país não consiga fechar suas contas no médio prazo. É consenso entre os analistas a idéia de que o país precisa de medidas que provoquem a retomada do crescimento econômico.Estados Unidos: feriado na segunda-feiraO mercado financeiro norte-americano estará fechado na segunda-feira, em função do feriado do Memorial Day. No início do mês, as bolsas nos Estados Unidos ensaiaram uma recuperação. Mas, na semana encerrada hoje, voltaram a registrar baixa. O Dow Jones - índice que mede a valorização das ações mais negociadas na Bolsa de Nova York - acumula uma queda de 2,93%. A Nasdaq - bolsa dos EUA que negocia papéis do setor de tecnologia e Internet - registrou queda de 5,40%.InvestimentosNão deixe de ver no link abaixo as dicas de investimento, com as recomendações das principais instituições financeiras, incluindo indicações de carteira para as suas aplicações, de acordo com o perfil do investidor e prazo da aplicação. Confira ainda a tabela resumo financeiro com os principais dados do mercado.

Agencia Estado,

25 de maio de 2001 | 22h35

Encontrou algum erro? Entre em contato

Tendências:

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.