Mercados: perspectivas para a próxima semana

No mercado financeiro, a próxima semana será reduzida em função do feriado de carnaval na segunda e terça-feira. Na quarta-feira, os negócios também funcionarão por um período menor. A Bolsa de Valores de Valores de São Paulo (Bovespa) estará aberta das 13h às 18h. O mercado de juros e o cambial, das 13h às 16h. A expectativa dos analistas é de que, na abertura dos negócios, haja alguma instabilidade, caso o cenário argentino apresente fatos muitos negativos no início da próxima semana.Na segunda-feira, o mercado cambial reabre na Argentina sem a paridade entre o peso e o dólar. Os bancos também voltarão a funcionar normalmente, depois do feriado bancário parcial que durou uma semana. Muitos analistas acreditam que a cotação do dólar possa ultrapassar o patamar de 2,50 pesos, chegando até a cotação de 3 pesos para cada dólar. O grande temor dos analistas é que haja um grande volume de saques na segunda-feira e os bancos fiquem insolventes.O ministro da Economia, Jorge Remes Lenicov, irá a Washington na próxima semana para tentar iniciar um acordo para a liberação de novos recursos para o país vizinho. O fato é que Lenicov esperava conseguir este apoio do Fundo Monetário Internacional (FMI) assim que anunciou o fim da paridade cambial. Analistas consideram que isso não aconteceu devido à falta de um programa consistente de corte de gastos e uma reforma fiscal estruturada. O governo argentino sabe disso, mas tem dificuldades para avançar, já que enfrenta uma grave crise social e enfrenta séria crise política e institucional. Além da Argentina, o cenário norte-americano também é motivo de atenções para os investidores no exterior. A economia do país já dá sinais de reaquecimento, mas o que vem pesando nos últimos dias é a desconfiança dos investidores em relação à veracidade dos números contábeis das empresas. Com isso, as bolsas do país não apresentam reação e acabam influenciando o mercado acionário no Brasil. Inflação e juros no BrasilO Índice de Preços ao Consumidor Amplo (IPCA) referente ao mês de janeiro, divulgado nesta sexta-feira, foi de 0,52% e ficou dentro das expectativas dos analistas - um número entre 0,4% e 0,6%. Na próxima sexta-feira, a Fundação Instituto de Pesquisas Econômicas (Fipe) divulga o resultado da primeira quadrissemana de fevereiro do Índice de Preços ao Consumidor (IPC).O comportamento da inflação tem sido decisivo para a tendência das taxas de juros, já que a política monetária do governo tem por objetivo o cumprimento das metas de inflação. Neste ano, a meta é de 3,5%, com possibilidade de alta ou baixa de dois porcentuais. O IPCA é a referência para a meta de inflação. Neste mês, de fato o índice foi menor, se comparado ao resultado de dezembro do ano passado, quando apresentou elevação de 0,65%. Mas, dentro de uma meta de inflação de 3,5% no ano, a alta de 0,52% é considerada elevada para apenas um mês.Não deixe de ver no link abaixo as dicas de investimento, com as recomendações das principais instituições financeiras, incluindo indicações de carteira para as suas aplicações, de acordo com o perfil do investidor e prazo da aplicação. Confira ainda a tabela resumo financeiro com os principais dados do mercado.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.