Mercados: perspectivas para a próxima semana

O cenário político e o comportamento das bolsas em Nova York serão os principais focos de atenção dos investidores na próxima semana. Os investidores no Brasil estarão atentos às próximas pesquisas eleitorais. A expectativa fica por conta da apuração encomendada pela corretora Ágora ao instituto Ibope, cujos números devem ser divulgados nos próximos dias.A proximidade das eleições presidenciais gera incertezas para os investidores, dado que qualquer que seja o próximo presidente já é possível antever o principal problema: o elevado endividamento do País. Para se ter uma idéia, em maio, a dívida líquida do setor público atingiu o ponto mais alto de toda a sua história, chegando a R$ 708,454 bilhões, o equivalente a 56% do Produto Interno Bruto (PIB).Com uma dívida muito alta, o País precisa pagar juros mais elevados para conseguir captar recursos no exterior. O fato é que, quanto maior o endividamento, maior o risco de não pagamento dos papéis (calote) e maior é o prêmio que o investidor exige para financiar essa elevada dívida. A conseqüência direta é a alta da taxa de risco-país. Forma-se, então, um círculo vicioso, já que esse risco alto provoca novamente pressão de alta das taxas de juros para os papéis públicos.Analistas ressaltam que a eleição de um candidato em linha com o atual plano econômico terá maiores chances de reverter, em parte, esse quadro, pois contaria com uma maior credibilidade por parte dos investidores estrangeiros. Mercado norte-americano preocupaNessa semana, a fraude no balanço da empresa norte-americana WorlCom abalou a confiança dos investidores, que aumentaram a aversão a investimentos de risco. Hoje, mais uma empresa foi apontada com problemas: a Xerox. Países emergentes, como o Brasil, sofrem com esse cenário, dado que há uma diminuição de recursos para o País. Vale destacar que, nos Estados Unidos, uma crise no mercado acionário traz conseqüências para a própria economia do país. Isso porque mais da metade da poupança dos norte-americanos está alocada em ações. Ou seja, prejuízos com o investimento nas bolsas reduz o poder de consumo dos norte-americanos, o que prejudica a retomada da atividade econômica do país.Não deixe de ver no link abaixo as dicas de investimento, com as recomendações das principais instituições financeiras, incluindo indicações de carteira para as suas aplicações, de acordo com o perfil do investidor e prazo da aplicação. Confira ainda a tabela resumo financeiro com os principais dados do mercado.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.