Mercados: perspectivas para a próxima semana

O mercado financeiro continua com o foco de atenções voltado para o cenário político. O candidato do PT, Luiz Inácio Lula da Silva, continua liderando as pesquisas de intenção de voto e, para os mercados financeiros, a possibilidade de que ele vença no primeiro turno é um risco. O que se teme, segundo os analistas, é uma mudança na condução da política econômica atual. Hoje, no final do dia, a TV Globo anunciou um debate entre os quatro principais candidatos à Presidência da República no dia 3 de outubro, quinta-feira, três dias antes das eleições. Segundo informou o jornalista Alaor Barbosa, o debate será baseado em perguntas entre os candidatos, com o objetivo de aprofundar o programa de governo de cada um. Ao todo, serão cinco blocos - quatro dedicados à discussão e o último para considerações finais. É certo que Lula tem adotado uma postura mais moderada em relação às eleições passadas. Mas, como o PT nunca foi um partido que ocupou a Presidência da República, o desconhecimento de como um candidato de oposição irá administrar as contas públicas tem deixado os mercados nervoso. Nessa semana, o dólar comercial ultrapassou o recorde de fechamento desde a criação do real, chegando a R$ 3,4700. O risco-país - que mede a confiança dos investidores em relação à capacidade de pagamento da dívida do país ultrapassou os dois mil pontos-base. Isso significa que, nesse patamar, o governo brasileiro paga juros 20 pontos porcentuais acima dos juros de títulos equivalentes do Tesouro norte-americanos.Analistas afirmam que, até que seja escolhido o próximo presidente da República, os mercados devem continuar apresentando forte oscilação. Depois disso, os mercados podem ficar um pouco mais calmos, mas o clima de incerteza deve permanecer, pelo menos até que se saiba como o será conduzida a política econômica no Brasil.Cenário internacionalO atual momento de instabilidade para os mercados é reforçado pelas incertezas internacionais. A economia global passa por um período de desaquecimento, puxado principalmente pela desaceleração econômica norte-americana. Ou seja, por si só esse já seria um motivo para a redução de investimentos para o Brasil. O fato é que, com os atentados terroristas em 11 de setembro e a possibilidade de um ação militar norte-americana no Iraque, aumentou a aversão dos investidores estrangeiros por risco. O resultado é uma redução forte no volume de dólares que vêm para o País. Esses fatores, aliados a um aumento da demanda por moeda norte-americana no mercado interno, como forma de hedge (segurança), tem pressionado para cima as cotações do dólar. Na próxima semana, dependendo do cenário político interno e das incertezas internacionais, esse movimento pode continuar, segundo analistas.Números e eventos da próxima semanaNo Brasil, serão divulgados índices de inflação na terça e quarta-feira. O primeiro é o Índice de Preços ao Consumidor Amplo (IPCA-15), referente ao período entre 15 de agosto e 15 de setembro. O segundo, que sai na quarta-feira, é o Índice de Preços ao Consumidor (IPC) referente à terceira quadrissemana de setembro. Outro evento importante na quarta-feira é a divulgação da ata da última reunião do Comitê de Política Monetária (Copom). Na quarta-feira, o Comitê decidiu manter a Selic, a taxa básica de juros da economia, em 18% ao ano e retirou o viés de baixa. Na nota divulgada ao final da reunião, "o quadro de volatilidade e incerteza" foi apontado como o principal responsável para essa decisão.No cenário externo, será decidida a taxa de juros norte-americana na terça-feira. A maioria dos especialistas espera que o Banco Central dos Estados Unidos (Fed) decida a manutenção da taxa em 1,75% ao ano.Não deixe de ver no link abaixo as dicas de investimento, com as recomendações das principais instituições financeiras, incluindo indicações de carteira para as suas aplicações, de acordo com o perfil do investidor e prazo da aplicação. Confira ainda a tabela resumo financeiro com os principais dados do mercado.

Agencia Estado,

20 de setembro de 2002 | 21h39

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.