Mercados: perspectivas para a próxima semana

A inflação deve permanecer em destaque na próxima semana. Os últimos índices de inflação assustaram os analistas e mexeram com os números no mercado financeiro, principalmente no mercado de juros. Na próxima semana, o principal índice sai na sexta-feira. Trata-se do Índice de Preços ao Consumidor Amplo (IPCA), que é usado como referência para a meta de inflação.A alta dos preços tem sido puxada pela escalada das cotações da moeda norte-americana. É a chamada "inflação de custos", provocada pela entrada de insumos e produtos importados. Devido à sua composição, o índice mais influenciado por esse cenário é o Índice Geral dos Preços de Mercado (IGP-M), calculado pela Fundação Getúlio Vargas. Ele é composto por três índices: Índice de Preços no Atacado (IPA), Índice de Preços ao Consumidor (IPC) e Índice Nacional do Custo da Construção (INCC), que representam 60%, 30% e 10%, respectivamente, do IGP-M. O maior impacto da alta do dólar recai sobre o IPA. Para se ter uma idéia, esse índice acumula uma alta de 27,95% em 2002 e o IGP-M, puxado pela alta do IPA, registra alta de 20,77% no período. O problema é que o IGP-M é usado como indexador para vários contratos, como os aluguéis, e mesmo para o reajuste de tarifas públicas.Analistas criticam o uso desse índice como base para reajuste de preços, já que há um grande descasamento entre ele e outros índices de inflação. Para se ter uma idéia, no acumulado do ano, até outubro, o IPCA apresenta uma alta de 6,98% (veja mais informações no link abaixo).Analistas já apostam em alta da SelicA alta da inflação abre a possibilidade de nova alta da Selic, a taxa básica de juros da economia. A próxima reunião do Comitê de Política Monetária (Copom) acontece nos dias 17 e 18 de dezembro e há quem aposte em uma elevação superior a um ponto porcentual. Na reunião do mês passado, o Comitê já havia elevado a Selic de 21% ao ano para 22% ao ano. A inflação continuou pressionada, mas reflete a forte escalada do dólar iniciada a partir de setembro - no ano, a alta é de 57,82%. De qualquer forma, analistas destacam que um aumento nos juros só tem efeito sobre a inflação ao longo do tempo, podendo demorar de seis a nove meses para ser percebido. Não deixe de ver no link abaixo as dicas de investimento, com as recomendações das principais instituições financeiras, incluindo indicações de carteira para as suas aplicações, de acordo com o perfil do investidor e prazo da aplicação. Confira ainda a tabela resumo financeiro com os principais dados do mercado.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.