Mercados: perspectivas para a semana

Os próximos passos do ministro da Economia da Argentina, Domingo Cavallo, serão acompanhados de perto por investidores, pois as decisões a serem tomadas nos próximos dias terão efeito direto no mercado financeiro e definirão as tendências, até mesmo para o curto prazo. Hoje, antes de embarcar para Washington, o ministro já antecipou algumas medidas que poderão favorecer o início da retomada do crescimento econômico. Uma delas é a redução do imposto sobre empréstimos, que deve ser anunciada na próxima semana e pode estimular o consumo e o desempenho produtivo das empresas. Veja mais informações no link abaixo.Investidores esperam que as medidas sejam divulgadas simultaneamente ao plano de reestruturação da dívida argentina, que prevê a troca de parte da dívida de curto prazo do país por papéis com vencimento em 20 ou 30 anos. A medida, que deve ser anunciada no domingo ou na segunda-feira, deve aliviar os gastos do governo, facilitando um controle maior das contas públicas argentinas. A implementação eficiente e rápida das medidas, aliada a um apoio financeiro internacional, pode evitar o temido colapso econômico no país vizinho e influenciaria fortemente os negócios no Brasil. Analistas consideram que o resultado claro desse processo poderá ser percebido em um mês. Até lá, os negócios poderão continuar retraídos e os investidores, em clima de cautela.Estados Unidos e questão políticaNo cenário internacional, outro foco de atenção é o ritmo da desaceleração da economia norte-americana, mas a questão fica em segundo plano. Analistas consideram que a redução das taxas de juros nos Estados Unidos ainda devem provocar efeitos mais fortes na economia do país. Sinais mais claros não devem surgir antes de dois meses. O fato é que a divulgação do PIB do primeiro trimestre de 2001 ficou acima do esperado pelo mercado financeiro, em 2%, e chegou a animar os investidores que temiam um processo recessivo no país. A notícia é positiva para a economia mundial, Mas, no caso brasileiro, nesse momento, o efeito Argentina tem peso maior nas tendências para o mercado. Em relação à questão política no Brasil, é unânime a opinião de que enquanto as denúncias não chegarem ao Executivo, ou seja, não evidenciarem relações com o presidente Fernando Henrique Cardoso, o mercado financeiro vai relevar a questão. Diante das inúmeras contradições entre os senadores Antônio Carlos Magalhães (PFL-BA) e José Roberto Arruda (sem partido-DF) e da ex-diretora do Prodasen, será realizada uma acareação dos envolvidos na próxima quinta-feira, às 14h30. Mas, assim como o cenário norte-americano, a questão política também deve ter influência menor no mercado financeiro na próxima semana.InvestimentosNão deixe de ver no link abaixo as dicas de investimento, com as recomendações das principais instituições financeiras, incluindo indicações de carteira para as suas aplicações, de acordo com o perfil do investidor e prazo da aplicação. Confira ainda a tabela resumo financeiro com os principais dados do mercado.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.