Mercados pessimistas a 9 dias das eleições

O dólar segue firme na sua trajetória de alta e caminha para fechar a semana - a penúltima antes da eleição - em mais um recorde desde a criação do real. Os maiores fatores de pressão nesta manhã, segundo especialistas, foram os vencimentos de dívida cambial nos próximos dia 1 e 2, que somam US$ 1,6 bilhão e a rolagem dos contratos de dólar futuro de outubro.A taxa de câmbio alta favorece quem tem aplicações cambiais para vencer e o próprio Banco Central (BC) já imaginava que esse vencimento ia ser duro por conta das especulações. Por isso antecipou as informações sobre o leilão de hoje (o BC avisou uma semana atrás que ia rolar 70% do vencimento do dia 1 e está antecipando a rolagem parcial do vencimento de linha (oferta US$ 150 milhões contra vencimento de US$ 350 milhões) do dia 2.Segundo operadores, as transações desta sexta-feira estão praticamente restritas às tesourarias das instituições financeiras. E a atenção dos profissionais das tesourarias esteve a manhã toda voltada para os leilões cambiais do BC. Mas os analistas são unânimes ao afirmar que a demanda é por dólares à vista e não por ativos cambiais. O pessimismo no mercado de câmbio contaminou os demais mercados.Como já é tradicional, os boatos correram soltos nessa véspera de divulgação de pesquisas eleitorais. Os rumores são de que a pesquisa Datafolha que sai no domingo, cujas entrevistas iniciadas ontem estão sendo concluídas, mostraria novo crescimento de Luiz Inácio Lula da Silva (PT/PL) e queda de José Serra (PSDB/PMDB), o franco favorito dos mercados. Apesar da forte queda da Bolsa e da disparada do dólar e dos juros, muitos analistas continuam dizendo que o mercado ainda não reagiu totalmente uma provável vitória de Lula. Ou seja, pode haver ainda mais pessimismo no futuro próximo. A dúvida que assola os investidores é saber se haverá segundo turno e quem disputaria com Lula.As incertezas eleitorais nessa reta final de campanha - faltam apenas 9 dias para o dia 6 de outubro - e o ambiente externo adverso continuam jogando nas alturas a taxa de risco Brasil, que está na casa dos 2.300 pontos, o equivalente a uma diferença de 23 pontos porcentuais nas taxas de juros de títulos equivalentes do governo brasileiro e do Tesouro norte-americano.A Bovespa também está sendo pressionada pelo pessimismo em Nova York. Os investidores norte-americanos voltaram a ficar desapontados com alertas negativos de empresas e anúncios de demissões, que reforçam o enfraquecimento da economia.MercadosÀs 15h, o dólar comercial era vendido a R$ 3,8750, em alta de 3,06% em relação às últimas operações de ontem, oscilando entre R$ 3,8100 e R$ 3,8900. Com esse resultado, o dólar acumula uma alta de 67,31% no ano e 23,68% nos últimos 30 dias.No mercado de juros, os contratos de DI futuro com vencimento em janeiro de 2003 negociados na Bolsa de Mercadorias & Futuros pagavam taxas de 21,960% ao ano, frente a 21,570% ao ano ontem. Já os títulos com vencimento em julho de 2003 têm taxas de 26,800% ao ano, frente a 25,750% ao ano negociados ontem.A Bolsa de Valores de São Paulo (Bovespa) operava em queda de 4,29% em 8804 pontos e volume de negócios de R$ 448 milhões. Com esse resultado, a Bolsa acumula uma baixa de 35,16% em 2002 e 15,11% nos últimos 30 dias. Das 50 ações que compõem o Ibovespa - índice que mede a valorização das ações mais negociadas na Bolsa -, oito apresentam altas. O principal destaque são os papéis da Globocabo PN (preferenciais, sem direito a voto), com desvalorização de 13,33%. Mercados internacionais Em Nova York, o Dow Jones - Índice que mede a variação das ações mais negociadas na Bolsa de Nova York - operava em queda de 2,85% (a 7768,9 pontos), e a Nasdaq - bolsa que negocia ações de empresas de alta tecnologia e informática em Nova York - cai 0,91% (a 1210,46 pontos). O euro era negociado a US$ 0,9790; uma alta de 0,18%. Na Argentina, o índice Merval, da Bolsa de Valores de Buenos Aires, estava em baixa de 1,04% (388,67 pontos). Não deixe de ver no link abaixo as dicas de investimento, com as recomendações das principais instituições financeiras, incluindo indicações de carteira para as suas aplicações, de acordo com o perfil do investidor e prazo da aplicação. Confira ainda a tabela resumo financeiro com os principais dados do mercado.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.