Mercados preocupados com rumos da inflação

Um superávit de US$ 46 milhões na balança comercial, referente à quarta semana do mês, não agradou os investidores, apesar de muito melhor do que o desempenho apresentado no ano passado em janeiro, quando o saldo ficou negativo em US$ 478 milhões. O fato é que, no início do ano, a expectativa dos analistas era de um saldo positivo de US$ 5 bilhões para a balança comercial em 2002 e este é um aspecto muito importante para que as cotações do dólar permaneçam equilibradas.Durante a manhã, as cotações da moeda norte-americana permaneceram em alta e alguns analistas afirmaram que este comportamento já era um reflexo do resultado da balança comercial. Mas há outros motivos, como a proximidade do vencimento de dívidas de empresas brasileiras no exterior, quando o volume de dólares no mercado diminui, pressionando para cima as cotações. No próximo mês, conforme apurou a editora Cristina Canas, os vencimentos giram em torno de US$ 1 bilhão.Entre vários motivo, o dólar em alta preocupa os investidores, pois pode influenciar para cima os índices de inflação. Amanhã, as atenções estarão voltadas para divulgação do Índice de Preços ao Consumidor (IPC) referente à terceira semana de janeiro e, na quarta-feira, sai o primeiro índice fechado do mês de janeiro, o Índice Geral dos Preços de Mercado (IGP-M). O comportamento da inflação é importante, pois é tomado como base para a definição da Selic, a taxa básica de juros da economia.Estados Unidos e ArgentinaAlém dos números de inflação que serão divulgados esta semana, os investidores esperam o resultado da reunião do Banco Central dos Estados Unidos (Fed), que vai reavaliar a taxa de juros no país, atualmente em 1,75%. As apostas dividem-se em manutenção dos juros ou corte de 0,25 ponto porcentual. Em relação à Argentina, os investidores acompanham com atenção o resultado do encontro entre o secretário do Tesouro dos EUA, Paul O´Neill, e o ministro argentino das Relações Exteriores, Carlos Ruckauf. No sábado, o presidente da Argentina, Eduardo Duhalde, deve anunciar novas medidas sobre as restrições para saques bancários.Veja os números do mercado financeiro Às 15h10, o dólar comercial está cotado a R$ 2,4270 na ponta de venda dos negócios, com alta de 0,58% em relação aos últimos negócios de sexta-feira. Os contratos de swap (troca) de títulos prefixados por pós-fixados com período de um ano pagam juros de 20,22% ao ano, frente a 20,08% ao ano. A Bolsa de Valores de São Paulo (Bovespa) opera com queda de 0,46%.O índice Merval da Bolsa de Valores de Buenos Aires está em alta de 2,73%. Nos Estados Unidos, o Dow Jones - Índice que mede a variação das ações mais negociadas na Bolsa de Nova York - opera com queda de 0,14%, e a Nasdaq - bolsa que negocia ações de empresas de alta tecnologia e informática em Nova York - registra baixa de 0,06%. Não deixe de ver no link abaixo a perspectiva dos analistas para a semana no mercado financeiro e as dicas de investimento, com as recomendações das principais instituições financeiras, incluindo indicações de carteira para as suas aplicações, de acordo com o perfil do investidor e prazo da aplicação. Confira ainda a tabela resumo financeiro com os principais dados do mercado.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.