Mercados reagem às mudanças no BC argentino

O anúncio da troca de comando no Banco Central (BC) argentino, feito ontem à noite pelo ministro da Economia, Domingo Cavallo, é a primeira notícia do dia no mercado financeiro. A decisão ainda não é oficial, mas já se comenta que o novo presidente do BC será o empresário Roque Maccarone, que já foi presidente do estatal Banco Nación.A reação dos investidores à troca do presidente do BC foi positiva. Os papéis da dívida argentina (FRBs), que encerraram a segunda-feira cotados a 75,250 centavos por dólar, eram vendidos a 77,250 centavos por dólar há pouco. Porém, analistas consideram que a reação é pontual, já que, nesse momento, o que interessa para os investidores é saber como a Argentina vai honrar suas dívidas e retomar o crescimento.Analistas: reestruturação da dívida é a saídaAnalistas consideram que a única saída para a Argentina é uma reestruturação da dívida - leia-se calote em algum nível. O país vizinho vem apresentando déficit público acima do acertado com o Fundo Monetário Internacional (FMI). Para financiar sua dívida, o governo argentino tem recorrido aos bancos e pago juros elevados pelos seus títulos. Isso gera um aumento da dívida do país, assim como a sua necessidade de financiamento. Juros altos criam barreiras ainda maiores para o crescimento da economia.Aliado ao fato de juros mais altos, a Argentina sofre as conseqüências da paridade cambial. Os produtos argentinos não têm competitividade no mercado internacional e, dada a paridade, o governo não pode desvalorizar o peso argentino. O resultado é uma diminuição das exportações, reduzindo ainda mais o volume de dólares no mercado. Veja a abertura do mercado financeiroCom a melhora momentânea no cenário argentino, o mercado financeiro começou o dia um pouco mais tranqüilo, mas qualquer fato negativo, tanto no país vizinho quanto na cena política brasileira (veja mais informações no link abaixo) podem reverter essa tendência. O dólar comercial está cotado a R$ 2,2600 na ponta de venda dos negócios - estável em relação aos últimos negócios de ontem. A Bolsa de Valores de São Paulo (Bovespa) opera em alta de 0,45%. Os contratos de juros de DI a termo - que indicam a taxa prefixada para títulos com período de um ano - pagam juros de 22,750% ao ano, frente a 23,100% ao ano ontem.Não deixe de ver no link abaixo as dicas de investimento, com as recomendações das principais instituições financeiras, incluindo indicações de carteira para as suas aplicações, de acordo com o perfil do investidor e prazo da aplicação. Confira ainda a tabela resumo financeiro com os principais dados do mercado.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.