Mercados reagem bem à provável reeleição de Bush

Os mercados amanheceram com viés positivo nesta quarta-feira, numa ensaio de reação positiva às projeções que indicam a reeleição do presidente americano George Bush. Contrariando as pesquisas de boca de urna, Bush lidera as apurações e as redes de TV dos EUA projetam sua vitória.Os papéis da dívida brasileira sobem. De acordo com a corretora López León, às 10h58 (horário de Brasília), o último negócio registrado pelo BR40 (título da dívida brasileira negociado no exterior) foi a 114,10 centavos por dólar, alta de 0,53% em relação ao fechamento de ontem. Ainda não havia negócio com o C-bond (outro título da dívida brasileira). A inclinação positiva dos preços em conseqüência de provável vitória de Bush vem da avaliação de que seu adversário democrata John Kerry, se eleito, tenderia a adotar políticas comerciais mais protecionistas, o que seria desfavorável aos mercados emergentes, que concentram boa parte de sua atividade econômica em commodities.Mercados no BrasilÀs 11h10, a Bolsa de Valores de São Paulo (Bovespa) opera em alta de 1,09%. O dólar comercial atingiu o patamar mínimo da manhã desta quarta-feira às 9,45, e foi vendido a R$ 2,8370 - em baixa na comparação com o fechamento de segunda-feira, quando foi negociado a R$ 2,8530.Contudo, o clima de cautela permanece. É necessário lembrar que o petróleo, que recebe mal a vantagem de Bush, é o maior fator de risco à estabilidade da inflação, segundo o Banco Central. Às 11h15, o contrato de petróleo no mercado futuro é negociado a US$ 49,95, em alta de 0,67% em relação aos últimos negócios de ontem.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.