Mercados reagem, mas mantêm cautela com a China

Os mercados iniciaram um movimento de recuperação nesta quarta-feira, depois do forte tombo das bolsas em todo o mundo na terça, provocado pelo temor com as economias da China e dos Estados Unidos. Na China, o índice Composto de Xangai fechou em alta de 3,94%, após o Ministério de Finanças ter acalmado o mercado, negando que o governo pretenda tributar o lucro dos investidores. O mercado brasileiro reagiu bem. A Bolsa de Valores de São Paulo (Bovespa) abriu com pequena queda, mas já começa a subir. Às 12h17, a alta é de 0,12%.O dólar comercial é vendido a R$ 2,1230, em alta de 0,14%. Já o risco Brasil - taxa que mede a desconfiança do investidor na capacidade de pagamento da dívida do país - recua nove pontos para 195 pontos base. Contudo, analistas já contam com um cenário de incertezas e oscilações nos próximos dias. Os investidores estão receosos quanto aos efeitos da Assembléia Popular Nacional, que ocorre na próxima semana, na economia chinesa. O mercado especula sobre a possibilidade de adoção de medidas para conter o superaquecimento da economia do país.Esta incerteza manteve os mercados asiáticos em atenção. No Japão, o índice Topix registrou queda de 3,88%, e o índice Nikkei 225 caiu 3,56%, ou 664,85 pontos, durante a manhã desta quarta-feira (noite de terça-feira pelo horário de Brasília). "Todo mundo está esperando para ver quando vão parar de vender", disse à agência de notícias Reuters Toshihiko Matsuno, do SMBC Friend Securities, em Tóquio.Na Índia, a bolsa fechou o dia em queda de 4,01%, o pior desempenho em quatro meses. Os mercados continuaram em baixa também em diversos países da Ásia e do Pacífico, como Coréia do Sul, Austrália, Nova Zelândia, Cingapura e Malásia.Crescimento dos EUAAlém dos rumores sobre a mudança de regras na China, em Wall Street o sentimento do investidor também foi afetado por novos resultados mostrando que o crescimento da economia americana pode estar mais lento do que o previsto. Um relatório do governo mostrou que a procura por bens duráveis em janeiro teve a maior queda dos últimos três meses.O governo americano afirmou que está acompanhando a situação de perto e que o presidente George W. Bush está sendo informado sobre os movimentos do mercado internacional por seu secretário do Tesouro, Henry Paulson.Divulgados na manhã desta quarta, os números do PIB norte-americano no quatro trimestre (segunda prévia), vieram em linha com o esperado. A taxa anualizada de crescimento do PIB no quarto trimestre foi revisada para 2,2%, da expansão de 3,5% apontada na primeira estimativa.Às 12h25, em Nova York, o índice Dow Jones - que mede o desempenho das ações mais negociadas - opera com alta de 0,44%. A Nasdaq - bolsa que negocia ações do setor de tecnologia e Internet - registra alta de 0,16%.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.