Mercados: resumo da semana

Na segunda-feira, depois de semanas de especulações, foi anunciado o pacote de ajuda econômica liderado pelo Fundo Monetário Internacional (FMI) para a Argentina. O montante ficou em quase US$ 40 bilhões, acima das expectativas mais otimistas. Como prevê-se que as necessidades externas do governo argentino para 2001 fiquem em torno de US$ 25 bilhões, o crédito trouxe otimismo ao mercado. Mas a verdade é que depois das declarações do presidente do FED - banco central norte-americano -, Alan Greenspan, no início do mês, a situação da Argentina perdeu muita importância na avaliação dos investidores.Na terça-feira, o FED anunciou o resultado da última reunião mensal do ano. Os juros básicos foram mantidos inalterados em 6,5%. Porém, foi anunciado o diagnóstico de desaceleração da economia, estimulando uma reversão na política de juros, que agora passa a apresentar tendência decrescente. Espera-se que na reunião de janeiro seja anunciada uma queda nas taxas.E na quarta-feira, ocorreu o tão esperado anúncio da nova Selic. A taxa básica referencial da economia foi reduzida de 16,5% ao ano para 15,75% ao ano. O mercado esperava uma queda de meio ponto porcentual, portanto a decisão gerou uma certa surpresa e otimismo. Houve, na quinta e na sexta-feira, uma correção nas cotações em função dessa perspectiva mais positiva da economia.Para os investidores, essa foi a última semana de facto do ano. O volume de negócios da sexta-feira já foi mais baixo, com pequenas oscilações nas cotações. Como a próxima semana não deve trazer novidades no noticiário, nem grande volume de negócios, as expectativas são de um certo marasmo nos mercados, com retomada apenas em 2001.MercadosO dólar oscilou na semana sem apresentar tendência clara de alta ou queda, mas em patamares mais baixos, ficando entre R$ 1,95 e R$ 1,96. E a Bolsa teve forte alta na primeira semana de dezembro, mas, desde então, vem oscilando sem indicar tendência clara de alta ou baixa. Nos últimos três dias, porém, houve uma queda de patamar. Os juros, por sua vez, vêm caindo desde o início do mês. Os contratos de juros de DI a termo - que indicam a taxa prefixada para títulos com período de um ano -fecharam a semana entre 16,9% e 17% nos últimos dias.O petróleo vem sofrendo quedas de preços sistemáticas desde o início do mês. Em Londres, os negócios com o petróleo bruto do tipo Brent para entrega em dezembro registraram queda nas cotações de 25,81%.Nos Estados Unidos, o Dow Jones - Índice que mede as ações mais negociadas na Bolsa de Nova York - vem oscilando sem indicar tendência clara na última semana. A Nasdaq - bolsa que negocia ações de empresas de alta tecnologia e informática em Nova York - apresenta quedas desde 11 de dezembro, com pequena recuperação nesta sexta-feira.Veja abaixo as cotações de fechamento da semana: segunda-feiraterça-feiraquarta-feiraquinta-feirasexta-feiraBovespa (variação)+0,63%+1,68%-4,66%,-0,80%+1,01%Dólar (fechamento)R$ 1,9560R$ 1,9530R$ 1,9610R$ 1,9550R$ 1,9600Juros (DI a termo ao ano)17,050%17,040%17,190%16,820%16,910%Nasdaq (variação)-1,08%-0,57%-7,12%+0,32 %+7,56%Dow Jones (variação)+2,02%-4,31%,-2,51%+1,63%+1,41%Dia-a-dia:Segunda-Feira (21/08)O anúncio do pacote de ajuda à Argentina no montante de US$ 39,7 bilhões surpreendeu, forçando pequena queda do dólar. A Bolsa teve pequena alta e os juros, ligeira queda. Nos Estados Unidos e no Brasil, cresce o otimismo em relação aos cortes nos juros.Bovespa - A Bolsa de Valores de São Paulo fechou em alta de 0,63%.Câmbio- O dólar fechou em R$ 1,9560, com queda de 0,23%. Juros - Os contratos de juros de DI a termo pagavam juros de 17,050% ao anoBolsas norte-americanas - O Dow Jones - índice que mede as ações mais negociadas na Bolsa de Nova York - fechou em alta de 2,02%, e a Nasdaq - bolsa que negocia ações de empresas de alta tecnologia e informática - fechou em queda de 1,08%.Terça-Feira (15/08)A decisão do FED de manter os juros nos EUA em 6,5% ao ano com tendência decrescente correspondeu às expectativas do mercados. Espera-se que o Copom reduza a Selic amanhã dos atuais 16,5% ao ano para 16% ao ano. Com o resultado do FED, os mercados operaram com ligeiro otimismo.Bovespa - A Bolsa de Valores de São Paulo fechou em alta de 1,68%.Câmbio- O dólar fechou em R$ 1,9530, com queda de 0,15%. Juros - Os contratos de juros de DI a termo pagavam juros de 17,040 % ao ano, frente a 17,090% ao ano no dia anterior.Bolsas norte-americanas - O Dow Jones - índice que mede as ações mais negociadas na Bolsa de Nova York - fechou em queda de 4,31%, e a Nasdaq - bolsa que negocia ações de empresas de alta tecnologia e informática - fechou em queda de 0,57%.Quarta-Feira (16/08)Fortes quedas em Nova York arrastaram a Bolsa e afetaram negativamente os demais mercados. De qualquer forma, a queda da Selic de 16,5% para 15,75% surpreendeu os analistas, que esperavam uma queda de meio ponto porcentual. Bovespa - A Bolsa de Valores de São Paulo fechou em queda de 4,66%.Câmbio- O dólar fechou em R$ 1,9610, com alta de 0,41%. Juros - Os contratos de juros de DI a termo pagavam juros de 17,190 % ao ano, frente a 17,040% ao ano no dia anterior.Bolsas norte-americanas - O Dow Jones - índice que mede as ações mais negociadas na Bolsa de Nova York - fechou em queda de 2,51%, e a Nasdaq - bolsa que negocia ações de empresas de alta tecnologia e informática - fechou em queda de 7,12%.Quinta-feira (17/08)A queda maior que o esperado da Selic levou a um ajuste nas cotações do dólar e dos juros futuros. Mas a forte queda de quarta-feira nas bolsas em Nova York continua afetando a Bovespa, que caiu. Bovespa - A Bolsa de Valores de São Paulo fechou em queda de 0,80%.Câmbio- O dólar fechou em R$ 1,9550, com queda de 0,31%. Juros - Os contratos de juros de DI a termo pagavam juros de 16,820 % ao ano, frente a 17,190% ao ano no dia anterior.Bolsas norte-americanas - O Dow Jones - índice que mede as ações mais negociadas na Bolsa de Nova York - fechou em alta de 1,63%, e a Nasdaq - bolsa que negocia ações de empresas de alta tecnologia e informática - fechou em alta de 0,32%.Sexta-feira (18/08)Os mercados já entraram no marasmo de final de ano, com volume de negócios baixíssimo. As cotações variaram pouco, mas com otimismo. A diferença foi sentida nos mercados norte-americanos, com fortes altas na Nasdaq e Dow Jones.Bovespa - A Bolsa de Valores de São Paulo fechou em alta de 1,01%.Câmbio- O dólar fechou em R$ 1,9600, com alta de 0,26%. Juros - Os contratos de juros de DI a termo pagavam juros de 16,910 % ao ano, frente a 16,820% ao ano no dia anterior.Bolsas norte-americanas - O Dow Jones - índice que mede as ações mais negociadas na Bolsa de Nova York - fechou em alta de 1,41%, e a Nasdaq - bolsa que negocia ações de empresas de alta tecnologia e informática - fechou em alta de 7,56%.

Agencia Estado,

22 de dezembro de 2000 | 21h53

Encontrou algum erro? Entre em contato

Tendências:

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.