Mercados retomam otimismo

Ontem, após o fechamento dos negócios, foi divulgado o Índice Geral de Preços de Mercado (IGP-M), que registrou queda de 0,05% no mês de janeiro. A boa notícia reacendeu o otimismo dos investidores em relação à próxima reunião do Comitê de Política Monetária (Copom), dia 14. As previsões voltaram a ser de queda da Selic, a taxa básica referencial da economia, atualmente em 15,25%. Com isso, os contratos de juros de DI a termo - que indicam a taxa prefixada para títulos com período de um ano - fecharam o dia pagando juros de 15,800% ao ano, frente a 15,960% ao ano ontem. Além disso, o governo reviu as suas contas e reduziu sua previsão de necessidade de dólares. Assim, pretende comprar no mercado muito menos do que esperava anteriormente. O impacto das compras do governo, inclusive, deve ser mínimo de agora em diante. Com isso, as cotações do dólar caíram, fechando em R$ 1,9910, com queda de 0,70%. Dado o otimismo em relação aos juros e dólar, a Bolsa de Valores de São Paulo (Bovespa) fechou em alta de 2,56%, apesar das quedas nas bolsas norte-americanas. O Dow Jones - Índice que mede as ações mais negociadas na Bolsa de Nova York - fechou em queda de 0,60%e a Nasdaq - bolsa que negocia ações de empresas de alta tecnologia e informática em Nova York - em queda de 1,75%.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.