Mercados seguem em recuperação

Hoje os mercados tiveram um dia bastante tranqüilo, e a recuperação das cotações e dos volumes de negócios segue firme. Em parte, isso se deve às intervenções diárias do Banco Central (BC) no mercado de câmbio, interrompendo o pânico dos investidores, e pelos resultados positivos dos encontros do presidente da instituição, Armínio Fraga, com líderes da comunidade financeira em Wall Street e altos funcionários do governo dos EUA.O ambiente também se acalmou com o encontro confirmado entre Fraga e Aloízio Mercadante, candidato ao Senado por São Paulo e uma das principais lideranças do setor econômico do PT. A possibilidade de um acordo de transição com o Fundo Monetário Internacional (FMI) parece clara e os esforços agora, inclusive por parte de representantes do mercado, são de que todos os candidatos afirmem com muita clareza o compromisso com a manutenção de diretrizes sólidas para a administração das contas públicas.Todos esses novos acontecimentos garantem alguma tranqüilidade aos investidores, mas as cotações, especialmente do dólar, embora mais estáveis, continuam nas nuvens. O mercado parece necessitar mais definições para recuar mais. Enquanto isso, as atenções seguem focando os eventos da corrida presidencial, com destaque para as pesquisas de opinião. Já na terça-feira deve sair o resultado da sondagem em curso do Ibope. É possível que o melhor desempenho de Luiz Inácio Lula da Silva na série de entrevistas no Jornal Nacional, da Rede Globo, tenha reflexo nas intenções de voto.E, na quarta-feira, será divulgado o resultado da reunião mensal do Comitê de Política Monetária (Copom), que discute a taxa de juros referencial da economia, a Selic, atualmente em 18,5% ao ano. Os analistas estão divididos entre uma queda de até 0,5 ponto porcentual e a manutenção com viés de baixa. O viés é uma autorização prévia para que o presidente do BC reduza a taxa quando julgar adequado, instrumento utilizado normalmente quando o Comitê decide esperar algum tempo para observar o comportamento de alguma variável antes de reduzir os juros. A decisão será anunciada às 14 h.O dólar comercial foi vendido a R$ 2,8110 nos últimos negócios do dia, em alta de 0,61% em relação às últimas operações de ontem, oscilando entre R$ 2,7950 e R$ 2,8310. Com o resultado dessa sexta-feira, o dólar acumula uma alta de 21,37% no ano e uma queda de 0,32% em julho.No mercado de juros, os contratos de DI futuro com vencimento em janeiro de 2003 negociados na Bolsa de Mercadorias & Futuros pagam taxas de 22,350% ao ano, frente a 22,750% ao ano ontem. Já os títulos com vencimento em julho de 2003 têm taxas de 25,650% ao ano, frente a 26,200% ao ano negociados ontem.A Bolsa de Valores de São Paulo (Bovespa) fechou em alta de 1,49% em 10967 pontos e volume de negócios fraco, de 563 milhões. Com o resultado de hoje, a Bolsa acumula uma baixa de 19,22% em 2002 e 1,54 % em julho. Das 50 ações que compõem o Ibovespa - índice que mede a valorização das ações mais negociadas na Bolsa -, apenas 13 apresentaram baixas. As principais altas foram os papéis da Globo Cabo PN (preferenciais, sem direito a voto), com valorização de 7,32%; Bradesco PN (6,64%) e Telesp Celular ON (ordinárias, com direito a voto), que subiram 6,54%. Dentre as quedas, as maiores foram as ordinárias da Embratel (5,71%) e Embraer ON (5,58%).Mercados internacionais Em Nova York, o clima continua tenso. O Dow Jones - Índice que mede a variação das ações mais negociadas na Bolsa de Nova York - fechou em queda de 1,33% (a 8684,5 pontos), e a Nasdaq - bolsa que negocia ações de empresas de alta tecnologia e informática em Nova York - caiu 0,07% (a 1373,50 pontos). Às 18 h, o euro era negociado a US$ 0,9908; uma alta de 0,46. Na Argentina, o índice Merval, da Bolsa de Valores de Buenos Aires, fechou em baixa de 0,66% (371,03 pontos). Não deixe de ver no link abaixo as dicas de investimento, com as recomendações das principais instituições financeiras, incluindo indicações de carteira para as suas aplicações, de acordo com o perfil do investidor e prazo da aplicação. Confira ainda a tabela resumo financeiro com os principais dados do mercado.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.