Marcello Casal Jr/Agência Brasil
Marcello Casal Jr/Agência Brasil

coluna

Louise Barsi explica como viver de dividendos seguindo o Jeito Barsi de investir

Bolsa cai mais de 1% e dólar sobe para R$ 3,27 com temor de crise política

Moeda americana avançou mesmo com ação do Banco Central, com crescimento da percepção de que Temer não deve continuar na Presidência

Fabrício de Castro, O Estado de S.Paulo

22 de maio de 2017 | 12h07

O dólar abriu a semana em alta, avançando 0,60% nesta segunda-feira, 22, e terminou os negócios cotado a R$ 3,2716. Já a Bolsa encerrou o pregão em baixa de 1,54%, aos 61.673,49 pontos, refletindo a preocupação dos investidores com o cenário político brasileiro e o avanço das reformas trabalhista e da Previdência no Congresso. Também é crescente a percepção crescente de que o presidente Michel Temer não conseguirá se manter no cargo e que as reformas não avançarão enquanto a crise não for resolvida.

No entanto, a afirmação do presidente da Câmara, Rodrigo Maia, de que entre 5 e 12 de junho "vamos começar votação da reforma da Previdência no plenário" ajudou a tirar um pouco mais de pressão dos negócios no final desta tarde. 

GALERIA: Bolsa ou renda fixa? Saiba como investir seu dinheiro durante a crise

Antes, câmbio, taxas e também a Bolsa haviam respondido com algum alívio ao anúncio de que o parecer do projeto da reforma trabalhista será lido normalmente na Comissão de Assuntos Econômicos (CAE) amanhã, além da informação de que o pedido da defesa do presidente Michel Temer para suspender o inquérito contra o peemedebista no Supremo Tribunal Federal (STF) será pautado para julgamento apenas após a conclusão da perícia nos áudios gravados pelos empresários da JBS. 

A defesa, aliás, passou a defender que o inquérito contra Temer não seja mais suspenso. Ainda assim, o fechamento seguiu refletindo o tom de incerteza que dominou as operações nesta segunda-feira, em reação aos desdobramentos da crise no Palácio do Planalto. 

Tanto nas mesas quanto entre analistas há dúvidas sobre desfechos possíveis e o timing deles, além dos possíveis impactos na agenda de reformas e na economia. Nos ativos, o Ibovespa retomou o nível dos 61 mil pontos perdido mais cedo esta sessão, ainda assim terminando com baixa de 1,54%. 

Economistas aguardam desdobramentos da crise política para mudar projeções, indica Focus

As perdas foram lideradas pela JBS, cujas ações desabaram cerca de 30%. Na outra ponta, limitando a queda, estiveram os papéis beneficiados pela valorização do dólar, como exportadoras de celulose. 

No caso da moeda americana, mesmo com o Banco Central realizando a venda de dólares - em uma operação chamada de swap cambial, que contém a alta - a divisa manteve o movimento de alta durante toda a sessão e chegou a bater R$ 3,3194. Foram vendidos 40.000 contratos de swap cambial (US$ 2 bilhões) oferecidos no primeiro leilão do dia, ocorrido entre 9h30 e 9h40.

Nesta segunda-feira, 22, consultoria Eurasia divulgou que a probabilidade de 70% de Temer cair, acima dos 20% estimados desde dezembro do ano passado. O cenário mais provável é que a saída do peemedebista do governo ocorra "rapidamente", de acordo com relatório divulgado nesta segunda-feira, 22.

Tudo o que sabemos sobre:
Michel TemerBanco Central

Encontrou algum erro? Entre em contato

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

Tendências:

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.