Mercados sobem na Ásia após Fed manter taxa de juro

Decisão do banco central dos EUA alivia investidores que temiam uma agressiva alta para combater a inflação

KEVIN PLUMBERG, REUTERS

26 de junho de 2008 | 08h06

As bolsas asiáticas tiveram uma quinta-feira de alta depois que o Federal Reserve (Fed, banco central dos EUA) manteve inalterada sua taxa de juros na véspera e sinalizou que não está com pressa para elevá-las no curto prazo, aliviando investidores que temiam uma agressiva alta para combater a inflação.   Veja também: Juro americano é mantido em 2% ao ano Comportamento das taxas norte-americanas  Entenda os efeitos da crise nos Estados Unidos  O índice MSCI da Ásia Pacífico exceto Japão teve valorização de 0,41%, aos 440 pontos, próximo ao final dos negócios, depois de atingir seu pior nível desde março na quarta-feira. As ações ainda tiraram força dos comentários do Fed subestimando o potencial de um desaquecimento econômico mais forte nos Estados Unidos. Também colabora o fato do preço do petróleo acumular alta de 40% este ano, além das persistentes valorizações no preço dos alimentos, o que faz os investidores cautelosos sobre as perspectivas da região. "Provavelmente já vimos o pior, mas o quanto as coisas vão melhorar no curto prazo é questionável", afirmou Tony Russel, conselheiro sênior de ações do ABN AMRO Morgans em Sydney. O índice Nikkei da bolsa de Tóquio fechou praticamente estável, aos 13.822 pontos. Já o índice Hang Seng da bolsa de Hong Kong perdeu 0,79%, para 22.455 pontos. A bolsa sul-coreana fechou estável aos 1.717 pontos. A bolsa australiana puxou as altas do MSCI, avançando 1,32%, para 5.307 pontos. A alta foi impulsionada pela recuperação dos quatro maiores bancos e varejo do país. Com o segundo trimestre chegando ao fim, os investidores estão se recuperando do que foram meses ruins para as ações. O petróleo recuava US$ 0,61, para US$ 133,94 o barril depois de perder mais de US$ 2 na quarta-feira com dados do governo mostrando um aumento inesperado nos estoques de petróleo na semana passada. "O mercado irá se concentrar nos dados econômicos dos Estados Unidos a serem divulgados ao longo do dia para dar mais luz ao cenário econômico e seu impacto na demanda do petróleo", afirmou Gerard Burg, analista de commodities no National Australia Bank, em Melbourne.

Tudo o que sabemos sobre:
ÁsiaFedJuroInflaçãoCrise nos EUA

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.