Mercados têm dia tenso com Argentina

Hoje foi um dia extremamente tenso no mercado financeiro, mas o Banco Central não interveio. Como segunda-feira será feriado nos Estados Unidos e na Argentina - Dia de Colombo -, os mercados temem mudanças no cenário no final de semana, sem que possam reagir até terça-feira. E é provável um ataque ao Afeganistão nos próximos dias. Por outro lado, a situação argentina está cada vez mais grave e o risco país disparou, atingindo novo recorde, 1922 pontos, fechando em 1868 pontos.O presidente Fernando de la Rúa convocou reunião com membros de seu alto escalão para o final da tarde, provavelmente para aprovar novas medidas econômicas, segundo declarações do próprio chefe de gabinete da presidência, Chrystian Colombo, à correspondente da Agência Estado em Buenos Aires, Marina Guimarães. Segundo ele, as medidas visariam ao restabelecimento do crédito das províncias e empresas e também tratariam das relações da Argentina com o mundo, inclusive com o Brasil. As declarações foram vagas, mas suficientes para permitir uma retomada na Bolsa de Buenos Aires, que fechou em alta de 3,92%. Esperava-se que o governo aguardasse até o resultado das eleições legislativas do dia 14 para anunciar novas medidas, mas o nervosismo dos mercados nessa semana é um prenúncio do pânico que pode tomar conta dos investidores na semana que vem se nada for anunciado até o dia 15 de outubro.Argentina enfrenta enormes dificuldadesAlém dos péssimos indicadores econômicos e a falta de perspectiva de melhora, outros fatores estão trazendo tensão aos mercados. As brigas políticas nesse período final das eleições estão aumentando as incertezas, e os espera-se uma vitória clara da oposição, dificultando a governabilidade no país. Além disso, analistas comentam que os repetidos rumores de saída do ministro da Economia, Domingo Cavallo, e desmentidos diários pelo presidente da República estão enfraquecendo o ministro. De qualquer forma, o cenário internacional é muito desfavorável, especialmente aos países emergentes. O diretor-gerente do Fundo Monetário Internacional (FMI), Horst Köhler, declarou que a instituição, assim como outros organismos internacionais estariam dispostos e até encorajariam empréstimos adicionais a países em desenvolvimento comprometidos com maiores ajustes econômicos e políticas econômicas responsáveis. Também pediu medidas enérgicas de redução de juros e estímulos fiscais nos países industrializados para conter a desaceleração da economia global.EUA em recessão podem atacar Afeganistão logoOs números divulgados hoje a respeito do desemprego nos Estados Unidos em setembro saíram piores do que o previsto, preocupando os mercados. O pior é que o efeito dos ataques terroristas a Nova York e Washington sobre os dados só deve aparecer com mais clareza a partir de outubro. São poucos os que duvidam que o país já esteja em recessão. E analistas consideram alta a probabilidade do início da ação militar norte-americana contra o Afeganistão na semana que vem, aumentando a instabilidade. O secretário de Defesa, Donald Rumsfeld, negocia o uso do espaço aéreo e bases dos EUA com países do Oriente Médio e Ásia Central, e há movimentação de tropas para o Usbequistão. Como o ramadã - mês de jejum diário do nascer ao pôr-do-sol para os muçulmanos - começa no dia 16, teme-se que um ataque durante as comemorações religiosas seja interpretado como uma ofensiva provocativa ao Islã. Assim, a expectativa, é de que o ataque ocorra nos próximos dias.Fechamento dos mercadosO dólar comercial para venda fechou em R$ 2,7780, com alta de 1,50%. Os contratos de juros de DI a termo - que indicam a taxa prefixada para títulos com período de um ano - fecharam o dia pagando juros de 24,450% ao ano, frente a 24,800% ao ano ontem. A Bolsa de Valores de São Paulo (Bovespa) fechou em alta de 1,35%.O índice Merval da Bolsa de Valores de Buenos Aires fechou em alta de 3,93%. Nos Estados Unidos, o Dow Jones - Índice que mede a variação das ações mais negociadas na Bolsa de Nova York - fechou em alta de 0,65%, e a Nasdaq - bolsa que negocia ações de empresas de alta tecnologia e informática em Nova York - fechou em alta de 0,50%. Não deixe de ver no link abaixo as dicas de investimento, com as recomendações das principais instituições financeiras, incluindo indicações de carteira para as suas aplicações, de acordo com o perfil do investidor e prazo da aplicação. Confira ainda a tabela resumo financeiro com os principais dados do mercado.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.