Coluna

Thiago de Aragão: China traça 6 estratégias para pós-covid que afetam EUA e Brasil

Mercados: volume grande e otimismo

Hoje as operações dos mercados refletiram otimismo, com alta na Bolsa e queda no dólar e nos juros. Além disso, o volume de negócios foi bastante significativo: R$ 940 milhões na Bovespa, com a presença de investidores estrangeiros. A expectativa de queda da Selic, a taxa básica referencial de juros do Brasil, está consolidada, e os investidores apostam cada vez mais numa queda expressiva. Atualmente a Selic está em 15,75% ao ano e seu novo patamar será decidido na próxima reunião do Comitê de Política Monetária (Copom), dias 16 e 17. As previsões dos analistas são de queda de 0,25 a 0,75 ponto porcentual.Os mercados norte-americanos ajudaram os negócios no Brasil. Mesmo com as quedas dos últimos dias nas bolsas em Nova York, os mercados brasileiros continuaram otimistas. Hoje, com a alta da Nasdaq- bolsa que negocia ações de empresas de alta tecnologia e informática em Nova York -, os investidores brasileiros sentiram-se ainda mais estimulados.A Bolsa de Valores de São Paulo (Bovespa) fechou em alta de 2,49%. Os contratos de juros de DI a termo - que indicam a taxa prefixada para títulos com período de um ano - fecharam o dia pagando juros de 16,070% ao ano, frente a 16,390% ao ano ontem. E o dólar fechou em R$ 1,9440, com queda de 0,36%. Nos Estados Unidos, o Dow Jones - Índice que mede as ações mais negociadas na Bolsa de Nova York - fechou em queda de 0,46%, e a Nasdaq em alta de 1,89%.

Agencia Estado,

09 de janeiro de 2001 | 18h48

Encontrou algum erro? Entre em contato

Tendências:

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.