Nilton Fukuda/Estadão
Nilton Fukuda/Estadão

Coluna

Thiago de Aragão: China traça 6 estratégias para pós-covid que afetam EUA e Brasil

Mercedes-Benz vê cenário de incerteza, mas mantém programa de investimento de R$ 2,4 bi no Brasil

Executivo da montadora afirmou que a safra recorde de grãos no País aumenta a demanda por transporte, mas destacou os impactos da pandemia em outros setores

Eduardo Laguna, O Estado de S.Paulo

24 de setembro de 2020 | 14h25

Ao lançar uma nova geração de caminhões extrapesados, cujas cabines foram desenvolvidas pela engenharia brasileira para produção na Alemanha em 2021 - algo inédito -, a direção da Mercedes-Benz apontou um cenário de alta incerteza no mercado de veículos comerciais, mas reforçou seu compromisso com os investimentos previstos no País.

O programa de investimentos da montadora no Brasil prevê R$ 2,4 bilhões entre 2018 e 2022, com recursos destinados, principalmente, à atualização de plataformas e produtos.

Durante entrevista virtual à imprensa, Karl Deppen, que assumiu neste ano a presidência da Mercedes-Benz do Brasil, reconheceu os ajustes feitos pela companhia para reduzir custos num momento de quebra na geração de caixa. Ele ressaltou, porém, que o grupo não deixou de investir em inovação. “Temos a obrigação de fortalecer os produtos e serviços que oferecemos a nossos consumidores”, disse, na quarta-feira, 23.

Stefan Buchner, chefe mundial da Mercedes-Benz Trucks, afirmou que estimar o que será o mercado brasileiro até o ano que vem é hoje um exercício de grande incerteza.

Ele avaliou que o País tem um cenário misto, com recorde na safra de grãos - com, consequentemente, efeito positivo na demanda por transporte -, mas alguns outros setores ainda sofrem com os impactos da pandemia.

“O Brasil tem suas particularidades e ambiente de negócio próprio. A agricultura, por exemplo, é muito competitiva no Brasil. Temos grandes desafios, assim como no resto do mundo, mas diferentes dos desafios na Europa”, comentou Buchner, que está de saída da multinacional alemã porque vai se aposentar.

“Investimos porque estamos convencidos de que esse é um mercado importante”, acrescentou o executivo. Ele disse ser a favor de a operação no Brasil aumentar seus índices de nacionalização e se transformar numa plataforma exportadora. Informou, contudo, que não faz sentido logístico exportar do Brasil para a Alemanha as cabines que foram desenvolvidas em São Bernardo do Campo, no ABC paulista, ao mercado europeu.

O grupo apresentou dois novos modelos de sua linha de caminhões extrapesados Actros, que serão montados na Europa. A cabine de um dos modelos, o Actros F, tem a arquitetura projetada pela engenharia no Brasil com altura mais baixa, de apenas três degraus.

O modelo será lançado em janeiro de 2021 em 24 países da União Europeia, marcando a estreia da marca no segmento de cavalos-mecânicos acima de 18 toneladas na Europa.

Encontrou algum erro? Entre em contato

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

Tendências:

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.