Mercosul atrapalha negociações bilaterais, diz CNI

O presidente da Confederação Nacional da Indústria (CNI), Robson Braga de Andrade, disse nesta quinta-feira que o Mercosul atrapalha as negociações do País por acordos bilaterais. Segundo ele, o bloco não permite que o Brasil negocie acordos de livre comércio de maneira independente e por conta de divergências, principalmente com o sócio argentino, o País fica engessado na hora de buscar benefícios nas relações com outras nações. "Hoje temos uma enorme dificuldade no Mercosul, que trava essas negociações bilaterais", afirmou, após a abertura do Encontro do Comitê de Cooperação Econômica Brasil-Coreia, realizado na capital paulista.

WLADIMIR D'ANDRADE, Agencia Estado

21 de junho de 2012 | 12h52

De acordo com Andrade, o País, em breve, terá de repensar o funcionamento do bloco. "O Brasil vai ter de reavaliar a situação do bloco pois daqui a pouco seremos a quinta maior economia do mundo e não podemos ter uma barreira que nos impeça de negociar com outros países", afirmou.

O presidente da CNI culpa a Argentina pelas dificuldades do bloco, lembrando que o país vizinho impõe restrições à importação de bens brasileiros. "A Argentina cria insegurança, o que é muito ruim para os negócios", disse, mencionando as frequentes mudanças de regras no país em relação ao comércio exterior.

Andrade afirmou ainda que essa é a opinião de boa parte dos empresários brasileiros e que ela já foi levada ao governo federal. "Ou o Mercosul funciona direito ou o Brasil terá de repensá-lo", reiterou.

Tudo o que sabemos sobre:
CNIMDICSEMINÁRIOMERCOSUL

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.