Mercosul deve preservar AL de exportação de ricos

Os ministros da Fazenda e presidentes dos Bancos Centrais dos países do Mercosul discutiram, hoje, a necessidade de preservar o mercado da América Latina diante das dificuldades econômicas dos países avançados, que tentam exportar mais para a região. "Nossa preocupação é que nosso mercado seja invadido por produtos de quem não tem para quem vender", disse o ministro da Fazenda, Guido Mantega, em conversa com jornalistas após reunião do Conselho do Mercosul.

MARINA GUIMARÃES, ENVIADA ESPECIAL, Agencia Estado

28 de junho de 2011 | 21h32

O ministro deu nome aos países que podem invadir o mercado latino-americano com seus produtos: "Todos os países que estão em desespero de causa, em consequência da falta de mercado, vai desde os Estados Unidos, países europeus a mercados asiáticos, que buscam mercado que não tem lá nos países avançados, porque, tradicionalmente, eles exportam para esses países". Em função das dificuldades econômicas destes países, "eles buscam nosso mercado", detalhou.

"Não é porque nossos países crescem mais, que podemos ser invadidos por produtos de países que não tem para onde vender", afirmou o ministro. Segundo ele, os ministros do Mercosul chegaram à conclusão de que "os mercados latino-americanos devem ser disputados pelos países do continente". Em consequência, "devemos preservar esses mercados para nós e cuidar para que nossos mercados sirvam para estimular o nosso crescimento, e não o crescimento dos outros países".

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.