Mercosul é como coração de mãe, sempre cabe mais um, diz Lula

O presidente Luiz Inácio lula da Silva negou que o Mercosul esteja dando uma guinada à esquerda, com a adesão plena da Venezuela e com o acordo de preferências tarifárias que será assinado amanhã com Cuba. Este será o primeiro acordo de preferências tarifárias firmado por Cuba depois de mais de 40 anos de embargo comercial dos Estados Unidos. "O Mercosul é como coração de mãe, sempre cabe mais um. Somos um bloco aberto que tem seus regulamentos, que têm que ser cumpridos."E, nessa matéria, complementou o presidente, o Mercosul faz política de estado, a gente não conta se é de esquerda ou de direita, não é uma questão ideológica e como é uma questão de estado tem de tratar bem quem você não gosta, quem você gosta, tem de tratar bem os Estados Unidos e a China, tem de tratar bem a Argentina, a Venezuela, a Colômbia. Não estamos fazendo política pessoal e sim de estado", insistiu Lula.Ele aproveitou para elogiar a presidência temporária da Argentina no Mercosul e disse que durante a presidência do Mercosul pelo Brasil, a partir de amanhã até dezembro, "vamos trabalhar para que outros sócios entrem no Mercosul. Quem sabe vamos ser muito mais fortes do que somos hoje".Questão energéticaEle afirmou que é preciso discutir com muita serenidade a questão energética no Mercosul. O presidente reconhece que o assunto é um problema para todos os países da região e precisa ser resolvido. Segundo Lula, o Brasil está preocupado em dar sua contribuição e acredita que nas reuniões bilaterais que terá amanhã com a presidente do Chile, Michelle Bachelet, e o presidente da Bolívia, Evo Morales, será uma boa oportunidade para procurar encontrar uma solução, que não pode ser uma solução de curto prazo. Ao ser questionado se na reunião com Evo Morales vai ser discutida a questão do preço do gás importado da Bolívia, Lula afirmou: "Vou tratar com Morales o que ele quiser falar, mas quem negocia o problema do gás, por enquanto, é a Petrobras". "Eu quero discutir política com Evo Morales, eu quero discutir a relação Brasil-Bolívia."Segundo Lula, o Brasil tem muito como ajudar a Bolívia e o Brasil tem a obrigação de ajudar a Bolívia, que é um país mais pobre e mais necessitado. "Nós temos que fazer o que for possível para ajudar a Bolívia como nós temos obrigação também de ajudar o Uruguai e o Paraguai. Como também temos obrigação de ter relação extraordinária com a Argentina, nosso principal sócio."E para dar a dimensão da importância do Mercosul, Lula comparou: "O Mercosul está para a América do Sul como está a União Européia, que depende muito da França e da Alemanha . E no caso do Mercosul, há muita dependência do Brasil e da Argentina. Então precisamos ser exemplo de que queremos fortalecer o Mercosul".

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.