Mercosul rejeita pedido paraguaio para anular suspensão

O Tribunal Permanente do Mercosul rechaçou o pedido do Paraguai para que fosse anulada sua suspensão temporária do bloco e a adesão da Venezuela como membro pleno. O anúncio foi feito neste domingo pelo Ministério das Relações Exteriores do Paraguai. Os parceiros do Paraguai no Mercosul suspenderam o país do bloco até a posse de um novo governo democraticamente eleito. As eleições presidenciais no país estão marcadas para abril de 2013.

AE, Agencia Estado

22 de julho de 2012 | 17h30

Em 22 de junho, o Senado paraguaio destituiu o presidente Fernando Lugo em um julgamento sumário. Uma semana depois, os presidentes do Brasil, Dilma Roussef, da Argentina, Cristina Kirchner, e do Uruguai, José Mujica, entrarem em acordo para suspender o Paraguai por considerarem que a ação do Senado, que não ofereceu a Lugo tempo hábil para elaborar sua defesa, feriu a cláusula democrática do Mercosul. No mesmo dia, Dilma, Cristina e Mujica aceitaram o ingresso da Venezuela, que vinha sendo barrado pelo Paraguai.

"Uma cópia da decisão foi entregue pelo Tribunal Permanente na noite de sábado ao governo. Agora teremos dois dias para analisar quais serão os próximos passos", disse o chanceler José Félix Fernández em encontro com jornalistas neste domingo. O Tribunal Permanente do Mercosul é integrado pelo argentino Carlos María Correa, pelo paraguaio Roberto Ruiz Díaz, pelo uruguaio José María Gamio e pelos brasileiros Wilber Barral e Jorge Luís Fontoura. Em obediência ao regulamento interno da instância, nenhum deles falou com a imprensa. As informações são da Associated Press.

Tudo o que sabemos sobre:
MercosulParaguai

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.