Informação para você ler, ouvir, assistir, dialogar e compartilhar!
Tenha acesso ilimitado
por R$0,30/dia!
(no plano anual de R$ 99,90)
R$ 0,30/DIA ASSINAR
No plano anual de R$ 99,90

Merkel defende maior cooperação para impulsionar crescimento

Mais do que qualquer outro líder europeu, Merkel tem insistido que a disciplina fiscal e a estabilidade são a melhor forma de combater a crise da dívida no continente

Álvaro Campos, da Agência Estado,

13 de dezembro de 2011 | 12h51

A chanceler da Alemanha, Angela Merkel, assinalou nessa terça-feira que prefere uma ação mais unificada nos esforços para impulsionar o crescimento econômico na zona do euro, afirmando que os países do bloco deveriam interligar suas redes de energia e trocar experiência sobre a legislação no mercado de trabalho.

Mais do que qualquer outro líder europeu, Merkel tem insistido que a disciplina fiscal e a estabilidade são a melhor forma de combater a crise da dívida no continente. Seu governo tem rejeitado a implementação de novos programas de estímulo para fortalecer a união monetária. Mas com a crescente possibilidade de uma recessão, muitos especialistas têm criticado essa postura, afirmando que essas medidas não são suficientes para incentivar a criação de empregos e impulsionar a atividade econômica.

"O desemprego ainda está muito alto em boa parte da Europa", comentou Merkel, após uma reunião com Michael Sommer, diretor da Confederação Alemã de Sindicatos Trabalhistas, na qual ela discutiu o acordo fechado na semana passada pela cúpula da União Europeia. Segundo a chanceler, os países da zona do euro deveriam intensificar a cooperação econômica e trocar experiências sobre a legislação trabalhista para incentivar o crescimento. Investimentos, sobretudo em redes de energia inteligentes, também pode ajudar, diz ela.

Merkel disse ainda que seu governo está pronto para retomar os subsídios para programas de trabalho temporário, que ajudaram o país a evitar um rápido aumento no desemprego após a crise bancária de 2008.

As informações são da Dow Jones.

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.