Merkel defende maior coordenação econômica na Europa

A chanceler da Alemanha, Angela Merkel, afirmou em entrevista à revista Stern que os governos da União Europeia deveriam trabalhar de forma mais próxima em assuntos como impostos, mercado de trabalho e outras políticas econômicas. A cooperação, no entanto, não deveria ser limitada à zona do euro - que reúne atualmente os 17 países que utilizam o euro como moeda.

DANIELLE CHAVES, Agencia Estado

19 de janeiro de 2011 | 09h38

"O que nós estamos negociando deveria ser aberto a todos os países que querem participar", disse a chanceler. Disparidades nas políticas fiscal e econômica de países europeus são uma importante causa da crise de dívida da zona do euro, segundo economistas.

Na entrevista, Merkel combateu especulações de que o crescimento da Europa poderá seguir em dois caminhos, com países fiscalmente saudáveis como a Alemanha prosperando enquanto economias mais problemáticas como Grécia e Portugal enfrentam dificuldades para encontrar estratégias de crescimento bem sucedidas.

Questionada se esse é o caminho que a Europa está seguindo, Merkel afirmou que "para a Alemanha, muito claramente, não". "Além disso, as relações na Europa não são assim tão ''preto e branco''", acrescentou. As informações são da Dow Jones.

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.