Merkel diz que não é o momento de discutir eurobônus

Para a chanceler alemã, essa é uma ação que só deveria ser estudada após a conclusão de reformas para tornar a Europa mais competitiva 

Álvaro Campos, da Agência Estado,

22 de novembro de 2011 | 12h40

BERLIM - A chanceler da Alemanha, Angela Merkel, cobrou nesta terça-feira, 22, a rápida implementação das medidas destinadas a conter a crise da dívida na zona do euro, mas descartou a introdução de um bônus comum do bloco (eurobônus), dizendo que essa é uma ação que só deveria ser estudada após a conclusão de amplas reformas para tornar a Europa mais competitiva.

Os comentários de Merkel foram feitos na véspera da divulgação de uma proposta da Comissão Europeia sobre uma maior governança econômica no continente, que deve incluir também a introdução de diferentes tipos de eurobônus. "Os eurobônus voltaram à moda de novo", comentou Merkel durante uma conferência na Federação dos Empregadores Alemães.

Entretanto, a chanceler alemã alertou que os eurobônus representariam a criação de uma "união de obrigações", o que só deve ser discutido uma vez que a competitividade na zona do euro se tornar mais homogênea.

Merkel disse que os membros da zona do euro precisam estar dispostos a mudar o atual tratado da União Europeia para terem meios mais eficientes de lidar com a crise da dívida, acrescentando que tais mudanças não precisam levar dez anos para se tornarem realidade. "Em situações excepcionais, é preciso estar pronto para ações excepcionais", comentou. Mas ela lembrou que não existe uma solução rápida para a crise e que a confiança precisa ser reconquistada aos poucos. As informações são da Dow Jones.

Tudo o que sabemos sobre:
criseEuropaeurobônusMerkel

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.