Merkel diz que não há solução rápida para a crise

Antes da cúpula da UE, a chanceler reiterou a defesa de uma ampla reforma orçamentária

Danielle Chaves, da Agência Estado,

27 de junho de 2012 | 08h26

BERLIM - A chanceler da Alemanha, Angela Merkel, não cedeu terreno em sua posição de combater a crescente crise de dívida da zona do euro por meio de uma ampla reforma orçamentária e política, rejeitando pedidos por grandes investimentos públicos para estimular o crescimento econômico. "Não existe solução rápida e fácil", disse Merkel em um discurso ao Parlamento alemão antes da cúpula da União Europeia que começa amanhã.

Merkel, que ontem afirmou que não apoiará o compartilhamento de dívida soberana enquanto viver, disse que os eurobônus seriam contraproducentes. Segundo a chanceler, transformar a criação de bônus comuns em um imperativo político simplesmente "repetiria o erro original" feito no nascimento do euro com a criação de uma responsabilidade compartilhada sem primeiro ser estabelecida uma união política e fiscal.

"Precisamos atacar as causas do problema", declarou Merkel, acrescentando que é preciso reparar a arquitetura da união monetária e reduzir as dívidas. As informações são da Dow Jones.

Tudo o que sabemos sobre:
MACROMERKELCRISE*

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.