Merkel rejeita elevar limite do fundo permanente de resgate

Informação foi dada por fontes da coalizão de governo da Alemanha; fundo deve começar a funcionar no meio do ano que vem, com capacidade de € 500 bi

Álvaro Campos, da Agência Estado,

13 de dezembro de 2011 | 15h48

SÃO PAULO - Fontes da coalizão de governo da Alemanha afirmaram que a chanceler Angela Merkel reiterou nesta terça-feira, 13, sua oposição à elevação da capacidade de empréstimo do Mecanismo Europeu de Estabilidade (ESM, na sigla em inglês). A informação foi divulgada pela agência Reuters.

O ESM, que deve substituir a Linha de Estabilidade Financeira Europeia (EFSF, na sigla em inglês) em julho do ano que vem, terá uma capacidade efetiva de empréstimo de 500 bilhões de euros. O ESM deve substituir o Fundo Europeu de Estabilização Financeira (EFSF, na sigla em inglês), de 440 bilhões de euros. O BCE atuará como um agente para o EFSF e o ESM nas operações do mercado.

O presidente do Conselho Europeu, Herman Van Rompuy, disse hoje que uma análise para determinar se esse volume é adequado deve ser concluída em março do ano que vem.

Merkel também teria dito que o ESM não está relacionado com o aumento dos recursos do Fundo Monetário Internacional (FMI). Na semana passada, os líderes da União Europeia concordaram em emprestar até 200 bilhões de euros para o Fundo, para que este possa ajudar países problemáticos da região.

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.