Merkel tentará aumentar diálogo de emergentes com G8

A primeira-ministra alemã, Angela Merkel, disse nesta quarta-feira que a Alemanha irá buscar, como presidente do G8 - grupo dos sete países mais industrializados e a Rússia -, a eliminação de desequilíbrios nas taxas de câmbio, fortalecer a transparência nos fundos de hedge (proteção) e um novo diálogo com poderes emergentes como a China e a Índia. Em um discurso para líderes financeiros mundiais na cidade suíça de Davos, ela também afirmou que vê chances de sucesso na Rodada de Doha, e pediu a todos os lados que sejam flexíveis. "As chances de sucesso estão aí, sem dúvida", disse ela. "Mas as posições de Estados Unidos, Europa, países emergentes e em desenvolvimento precisam se aproximar." "Todos precisamos estar prontos para mostrar flexibilidade. A responsabilidade pelo êxito está sobre muitos ombros."

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.