Merkel vê chance de acordo sobre Grécia na segunda-feira

Chanceler alemã disse, no entanto, que não existe solução milagrosa capaz de resolver o problema grego da noite para o dia

Reuters

21 de novembro de 2012 | 09h36

BERLIM - A chanceler alemã, Angela Merkel, afirmou nesta quarta-feira que vê uma chance de se chegar a um acordo para liberar ajuda emergencial à Grécia em uma reunião de ministros das Finanças europeus na segunda-feira, mas rejeitou a ideia de que ações ousadas poderiam resolver a crise da Europa de uma hora para outra.

"Acredito que há chances, não se tem certeza, mas há chances de chegar a uma solução na segunda-feira", disse Merkel à câmara baixa do Parlamento, em um debate sobre o orçamento alemão.

"Mas... uma solução milagrosa, uma verdade que signifique que todos os nossos problemas irão acabar amanha... isso não será alcançado. O que foi negligenciado durante anos, décadas, não pode ser resolvido da noite para o dia e portanto teremos que continuar avançando passo a passo."

Ministros das Finanças europeus, o Banco Central Europeu e o Fundo Monetário Internacional falharam pela segunda semana seguida em alcançar uma acordo para liberar nova ajuda à Grécia. Eles vão se reunir de novo na segunda-feira.

Merkel acrescentou que líderes da UE podem ser forçados a se reunir de novo no início do próximo ano para garantir um acordo sobre o orçamento de longo prazo do bloco de 27 membros. Eles devem realizar uma reunião sobre o orçamento na quinta e sexta-feiras desta semana.

Fundo de ajuda

Angela Merkel disse que Berlim está estudando uma forma de permitir que a Grécia use recursos do fundo de ajuda europeu para recomprar bônus do mercado e reduzir juros sobre empréstimos existentes, segundo um parlamentar presente a uma reunião em que Merkel fez uma apresentação a legisladores de seu partido conservador, o União Democrata-Cristã (CDU, na sigla em alemão).

Pela ideia considerada por Berlim, a Linha de Estabilidade Financeira Europeia (EFSF, nas iniciais em inglês), o fundo da zona do euro usado para resgatar a Grécia, teria de elevar seu capital em cerca de 10 bilhões de euros (US$ 13 bilhões) para financiar uma recompra de bônus gregos, afirmaram legisladores presentes ao encontro, acrescentando que Merkel lhes garantiu que a Alemanha apoiará a eventual ampliação do capital da EFSF.

O governo alemão, no entanto, é contra uma proposta de reduzir os juros sobre a dívida grega a um nível abaixo do custo de tomada dos empréstimos, o que faria os contribuintes na Alemanha assumirem prejuízos pelo dinheiro emprestado à Grécia, de acordo com o relato de um parlamentar.

"A chanceler falou enfaticamente contra isso", disse o legislador. Segundo ele, Merkel afirmou quer perdoar parte da dívida grega poderia tirar parte da pressão sobre outros países para implementar reformas, em vez de encorajá-los a buscar ajuda.

Com informações da Dow Jones e da Agência Estado.

Tudo o que sabemos sobre:
MACROMERKELGRECIASEGUNDAacordo

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.