Merrill Lynch afasta funcionário que se recusou a depor

A Merrill Lynch & Co, Inc. disse que colocou em licença um funcionário de sua divisão de banco de investimentos, Schuyler Tilney, à luz de sua decisão de não testemunhar no próximo dia 30 diante do subcomitê do Senado que investiga o colapso da Enron. Em nota divulgada à imprensa, a Merrill Lynch disse que está cooperando integralmente com o subcomitê e que disponibilizará outros funcionários para testemunhar. "O Sr. Tilney tomou sua decisão baseada na orientação de seu advogado, depois de saber de uma investigação do Departamento de Justiça sobre uma transação que também está sendo investigada pelo subcomitê do Senado. A Merrill Lynch foi informada de que não é alvo ou objeto de investigação do Departamento de Justiça e está cooperando integralmente. A Merrill Lynch também foi informada que um ex-funcionário de sua divisão de banco de investimentos, Robert Furst, também decidiu não testemunhar perante o subcomitê do Senado?, informa. Prossegue a nota: ?As operações da Merrill Lynch com a Enron eram limitadas, incluindo US$ 7 milhões em investimentos em ações na companhia aberta para operar estações geradoras de energia móveis (energy barges) e o papel da Merrill Lynch como agente emissor privado para a sociedade LJM2. A Merrill Lynch acredita fortemente que suas operações com a Enron e a LJM2 foram apropriadas e autenticamente baseadas sobre o que nós sabíamos na época. A Merrill Lynch acredita que, baseado nas informações atualmente disponíveis, seus funcionários também se comportaram de forma apropriada nas transações Enron?. Por fim, a empresa diz: ?Contudo, a Merrill Lynch está colocando o funcionário Tilney em licença, porque a política da companhia é cooperar integralmente com as investigações dos órgãos reguladores e do governo".

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.