Merrill Lynch analisa cenários e eleva recomendação sobre Brasil

Ao voltar atrás e elevar a recomendação da dívida do Brasil de "underweight" (abaixo das previsões do mercado) para "marketweight" (dentro das previsões do mercado), a Merrill Lynch analisou as consequências dos dois cenários mais prováveis para o desfecho do primeiro turno das eleições brasileiras: 1) vitória de Lula no primeiro turno; 2) disputa de segundo turno entre Lula (PT) e José Serra (PSDB). No primeiro cenário, de vitória de Lula no primeiro turno, o impacto positivo para os títulos da dívida tem a ver com uma rápida nomeação por Lula da sua equipe econômica, especialmente o presidente do Banco Central. O impacto negativo é se o sentimento do mercado ainda esperar um segundo turno, então a vitória no primeiro turno por Lula levaria a capitulação de uma avaliação negativa do curto prazo após a vitória de Lula. Num segundo cenário, de disputa de segundo turno entre Lula e Serra, o impacto positivo viria daqueles que haviam perdido a esperança de um segundo turno, reconstruindo uma visão construtiva. O lado negativo do segundo turno seria o fato de prolongar as incertezas e volatilidade associadas com as eleições presidenciais. O estrategista de renda fixa para mercados emergentes da Merrill Lynch, Felipe Illanes, informa, através de nota para clientes, que o primeiro cenário (de vitória de Lula no primeiro turno) teria um impacto líquido positivo para os títulos da dívida, pelo menos inicialmente. No cenário dois, de disputa de segundo turno, o impacto para os títulos da dívida seria marginalmente negativo.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.