Merrill Lynch corta projeção do PIB dos EUA

A Merrill Lynch reduziu a projeção para o PIB norte-americano em um ponto porcentual (para 3,5%) para o segundo semestre deste ano. O economista-chefe da Merrill Lynch, Bruce Steinberg, disse que se o mercado de ações dos EUA tivesse ficado estável nos últimos dois meses não haveria necessidade de cortar a estimativa de crescimento do PIB. Segundo ele, de março de 2000 até 25 de julho evaporaram cerca de US$ 8,1 trilhões no valor da riqueza em ações dos norte-americanos, sendo que 40% desse total foram eliminados com a queda forte das bolsas durante junho e julho.Steinberg ressaltou que os ganhos com o aumento no patrimônio em imóveis dos norte-americanos chegaram a neutralizar até os primeiros US$ 7 trilhões em perdas no valor do patrimônio em ações. "Isso porque o efeito riqueza dos imóveis é mais do que o dobro do efeito riqueza das ações nas bolsas", explicou. "Mas chegou-se a um ponto que a perda de riqueza é tão grande que acabará afetando o crescimento econômico", acrescentou. A queda nos preços das ações, segundo Steinberg, afetará tanto os gastos dos consumidores quanto os gastos das empresas.O mercado de trabalho, no entanto, que tem um peso maior nas decisões dos consumidores neste momento do que as perdas nas bolsas de valores, tem perspectivas melhores, indicou o economista. Segundo ele, os pedidos de auxílio-desemprego caíram para o nível mais baixo em 17 meses, fechando em 362.000 pedidos na semana terminada no dia 20 de julho. Além disso, Steinberg espera que o número de postos de trabalho aumente em 95 mil neste mês."O crescimento no mercado de trabalho ajudará a manter os gastos dos consumidores elevados, mesmo que os consumidores tentem economizar mais. A história poderá ser diferente se as empresas decidirem diminuir as contratações", afirmou. Por conta disso, Steinberg acredita que a queda nas bolsas norte-americanas irá reduzir o fôlego da recuperação da economia norte-americana, mas não interromper essa recuperação.

Agencia Estado,

29 de julho de 2002 | 11h27

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.