Merrill Lynch do Japão demite 1.200

A unidade da Merrill Lynch no Japão, a Merrill Lynch Japan Securities, decidiu reduzir seu pessoal de vendas no varejo de 1.700 para 500 e consolidar as 28 filiais em 8, segundo informações do Nihon Keizai Shimbum. A unidade no Japão lançou operações de varejo em 1998, após incorporar cerca de 2.000 funcionários da falida Yamaichi Securities Co. A empresa introduziu o estilo norte-americano das corretoras de valores, aumentando os ativos depositados pelos investidores pessoas físicas, mas tem sofrido perdas que ultrapassam 20 bilhões de ienes (US$ 150,9 milhões) ao ano. O número de consultores financeiros será reduzido de 850 para 300 até o final de junho. Este pessoal receberá bônus adicional de aposentadoria equivalente a 12-18 meses de salário. Além disso, haverá auxílio para a busca de novos empregos, disse o jornal.As 28 filiais serão consolidadas em 8 pontos de venda localizados em Sapporo, Sendai, Tóquio, Nagoya, Osaka, Takamatsu, Fukuoka e Kunamoto. As 28 filiais atualmente administram ativos do investidor no varejo totalizando 1,7 trilhão de ienes (US$ 12,8 bilhões). Os ativos de filiais que serão eliminadas serão transferidos para os pontos-de-venda sobreviventes ou centro de atendimento a ser criado em Tóquio, dizem as fontes.A unidade japonesa, que continuará mantendo sua atividade no atacado, deverá incorrer em custos de reestruturação de 40 bilhões de ienes (US$ 301,8 milhões) e 50 bilhões de ienes (US$ 377,3 milhões), inclusive em bônus adicionais de aposentadoria e custos relacionados com os fechamentos das filiais. Os custos farão com que a companhia seja subcapitalizada, mas a controladora nos EUA aumentará a base de capital da unidade. A unidade japonesa espera que essas medidas a ajudem a atingir ponto de equilíbrio no ano fiscal, que começa em abril. A empresa também vai reduzir os custos gerais para cerca de 10 bilhões de ienes (US$ 75,4 milhões) no ano fiscal de 2002, cerca de um quarto do custo total do atual ano fiscal.Outros players estrangeiros também já anunciaram planos de reduzir suas operações ou cancelar suas atividades no Japão. A Morgan Stanley Nippon Securities retirou-se do mercado varejista em novembro, enquanto o Societe Generale da França e a corretora online Charles Schwab Corp. também saíram do mercado.

Agencia Estado,

09 de janeiro de 2002 | 08h45

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.