Coluna

Thiago de Aragão: China traça 6 estratégias para pós-covid que afetam EUA e Brasil

Merrill Lynch rebaixa recomendação para títulos brasileiros

A Merrill Lynch rebaixou hoje a recomendação para os títulos da dívida brasileira negociados no exterior. Antes, os papéis do Brasil tinham recomendação acima da média de outros títulos. Com esta decisão, os títulos brasileiros passaram a ter recomendação na média de mercado. Trata-se da quarta instituição estrangeira a manifestar preocupação com a crise política brasileira neste mês. No dia 19, o ABN Amro zerou sua posição em títulos brasileiros, dizendo que os riscos advindos da crise não podiam ser menosprezados. A Goldman Sachs colocou o risco político brasileiro como um dos maiores riscos da economia global esse ano. No dia 5, o banco HSBC, em nota para clientes, recomendou venda de um volume de títulos soberanos brasileiros BR 2014, além de bônus colombianos e filipinos. Com essa decisão, a exposição do portfólio do banco ao Brasil ficou numa posição "neutra".Os estrangeiros vinham mantendo postura neutra em relação à crise política. Os papéis da dívida brasileira chegaram a subir no primeiro mês da crise, deflagrada no começo de junho, quando o deputado Federal Roberto Jefferson fez as acusações do mensalão.Sem citar a crise política brasileira, o J.P. Morgan também cortou ontem sua perspectiva técnica para os mercados emergentes para neutro, de positivo, após analisar os resultados de sua pesquisa mensal com investidores. Reação do mercadoÀs 9h44 (horário de Brasília), o título BR40 era cotado em 116,95 centavos por dólar na compra e em 117,05 centavos por dólar na venda, de 116,950 centavos por dólar ontem, de acordo com a ICAP/Garban. O último negócio foi a 117 centavos por dólar, alta de 0,04%. Não havia negócios com o C-bond - outro título brasileiro negociado no exterior.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.