Merrill mantém recomendação para Petrobrás

A Merrill Lynch está mantendo a recomendação de compra forte para os ADRs da Petrobrás. O preço-alvo para o ADR é projetado em US$ 22. Segundo a Merril Lynch, os principais riscos ao preço-alvo estão relacionados à incerteza política antes das eleições presidenciais que serão realizadas em outubro, aos movimentos do preço do petróleo e às contínuas oscilações econômicas no Brasil.Segundo o relatório, os papéis da Petrobras caíram 30% nos últimos três meses, pressionados pela incerteza política e pela recente intervenção do governo no preço do gás. O banco de investimentos acredita que depois das eleições as perspectivas para o papel devem melhorar. Às 16h50 (de Brasília), o ADR da Petrobras era negociado em queda de 2,52%, em US$ 15,87.Em análise sobre o balanço que a Petrobrás divulgou sob as normas contábeis norte-americanas (US Gaap), o banco de investimentos Merrill Lynch atribui o recuo no lucro líquido da empresa no segundo trimestre deste ano, em comparação com igual período do ano passado, sobretudo ao declínio do preço do petróleo. Pelo US Gaap, o lucro líquido da Petrobras recuou para US$ 873 milhões, ou US$ 0,80 por ADR, de US$ 1,469 bilhão, ou US$ 1,35 por ADR, no segundo trimestre de 2001.Contudo, os resultados do segundo trimestre ficaram bem acima do fraco primeiro trimestre deste ano, quando a companhia apresentou lucro líquido de US$ 613 milhões pelo US Gaap. Segundo os analistas da Merrill, isso se deveu aos bons resultado na área de exploração e produção e a um aumento nas margens na área de refino. A produção de petróleo doméstica cresceu 18% na comparação com o segundo trimestre do ano passado e o custo da empresa foi beneficiado pelo real mais fraco, diz o relatório.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.