Dida Sampaio/Estadão
Dida Sampaio/Estadão

finanças

E-Investidor: "Você não pode ser refém do seu salário, emprego ou empresa", diz Carol Paiffer

Governo desmobiliza gabinete de crise dos caminhoneiros

No estacionamento do estádio Mané Garrincha, apenas três caminhões estavam parados na manhã deste sábado

Fernando Nakagawa e Leonêncio Nossa, O Estado de S.Paulo

02 de junho de 2018 | 12h46

O Planalto começa a desmobilizar o grupo de monitoramento da crise do abastecimento de combustíveis. Mesmo com novas ameaças de bloqueios por meio do WhatsApp, a reunião da equipe de ministros e assessores do governo, ocorrida na manhã deste sábado, foi esvaziada e durou menos de 40 minutos - nos dias de paralisação do setor de cargas, encontros chegaram a 6 horas de discussões.

Dos ministros que compõem a equipe, apenas Sérgio Etchegoyen, do Gabinete de Segurança Institucional (GSI), participou da reunião. Eliseu Padilha, Casa Civil, e Carlos Marun, Secretaria de Governo, não compareceram. O presidente Michel Temer, ficou no Palácio do Jaburu, residência oficial da Presidência, e também não participou. Agora, a equipe de ministros mais próxima de Temer começa a dar mais foco aos estragos políticos deixados pela paralisação dos caminhoneiros, que custou a saída de Pedro Parente do comando da Petrobrás e uma fragilidade ainda maior do governo nos embates no Congresso e nos setores econômico e social.

Além de Ethegoyen, estiveram presente no Planalto o secretário da Receita Federal, Jorge Rachid, o chefe do Estado Maior das Forças Armadas, almirante Ademir Sobrinho, o ministro substituto da Justiça, Claudenir Brito, e os secretários-executivos do ministérios dos Transportes, Herbert Drummond, da Casa Civil, Daniel Sigelmann, e de Minas e Energia, Márcio Félix. Após o encontro, o grupo evitou contatos com a imprensa. O Planalto não agendou entrevista coletiva, evitando, assim, novos pronunciamentos sobre a saída de Pedro Parente, da Petrobrás.

+ Líder marca protesto com 50 mil caminhoneiros em Brasília, mas apenas 4 comparecem

Uma nova reunião do grupo de monitoramento foi marcada para, domingo, às 9h30. Na noite de quinta-feira, Eliseu Padilha disse que o governo apostava na desmobilização do movimento, com o fim dos bloqueios das estradas federais. Pelas últimas avaliações do GSI, de Etchegoyen, os anúncios e convocações de paralisação, nas redes sociais, não eram motivos de preocupação para o governo.

A Polícia Rodoviária Federal informou que continua com o trabalho de monitoramento das estradas e não registrou nenhuma ocorrência incomum no sábado. Um dos temas acompanhados pela inteligência do órgão era a suposta movimentação de 50 mil caminhoneiros para um grande protesto no domingo no estacionamento do estádio Mané Garrincha no domingo. A Polícia Rodoviária, porém, não registrou nenhum movimento atípico.

+ David Zylbersztajn: ‘O maior erro é voltar a usar a Petrobrás’

No estacionamento do estádio, apenas três caminhões estavam parados à espera do protesto marcado para o dia seguinte, um a menos do que no dia anterior. Policiais militares do Distrito Federal acompanhavam à distância o movimento de poucas pessoas.

Nos aeroportos, a maioria dos terminais já está com a operação normalizada. O aeroporto de Palmas, último aeroporto sem combustível da Infraero e que deveria ter recebido querosene na madrugada do sábado, esperava o carregamento para o meio da tarde. Nos demais terminais, a operação era normal.

Tudo o que sabemos sobre:
grevecaminhoneiro

Encontrou algum erro? Entre em contato

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.