Ações

Empresas de Eike disparam na bolsa após fim de recuperação judicial da OSX

Mesmo com faturamento menor, Furnas tem seu melhor resultado

Furnas Centrais Elétricas registrou em 2003 o melhor resultado financeiro de sua história, mesmo com redução de 55% no seu faturamento. O lucro líquido atingiu R$ 1,119 bilhão, mais do que o dobro dos R$ 540 milhões contabilizados em 2002. A geração de caixa, medida pelo Ebitda (lucro antes dos juros, impostos, depreciação e amortização) atingiu R$ 2,087 bilhões, com margem recorde de 45%, mais do que o dobro dos 22% da média do setor. A receita líquida registrou queda de 55%, atingindo R$ 4,660 bilhões, ante os R$ 10,223 bilhões em 2002.Segundo o diretor financeiro da empresa, José Roberto Cury, a redução no faturamento deu-se devido à transferência do direito de comercialização da energia gerada pela usina de Itaipu. Até 2002 a comercialização dessa energia ficava com Furnas, mas desde o início do ano passado passou para a própria Eletrobrás, holding estatal dona de Furnas.Cury disse que em termos financeiros, porém, o impacto dessa mudança foi nulo, já que a empresa não tinha lucro com a energia de Itaipu. Outro fator que reduziu o faturamento foi a descontratação de 25% da energia gerada. Nesse caso, porém, o efeito foi menor, já que a estatal conseguiu reajustar a tarifa média na faixa dos 25%. ProjetosSegundo Cury, Furnas conseguiu melhorar sensivelmente todos os seus indicadores econômicos e a empresa está em posição "confortável" para realizar novos investimentos e ampliar o seu negócio. O orçamento de investimentos da estatal para este ano prevê a aplicação de cerca de R$ 1 bilhão, praticamente repetindo o registrado no ano passado.Para isso, a empresa acredita que conseguirá gerar um caixa próprio na faixa de R$ 600 milhões, mas precisará captar outros R$ 400 milhões no mercado financeiro. Uma das opções em estudos é o lançamento de Fundo de Recebíveis, com base em direitos creditórios.Outras opções são captações diretas junto a fundos de pensão, financiamentos do Banco Nacional de Desenvolvimento Econômico e Social (BNDES) ou emissão de debêntures. "Estamos analisando as opções", comentou Cury. No ano passado, Furnas investiu R$ 1,047 bilhão, inteiramente com recursos próprios, sem precisar de financiamentos de terceiros.

Agencia Estado,

07 de abril de 2004 | 08h02

Encontrou algum erro? Entre em contato

Tendências:

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.