carteira

As ações mais recomendadas para dezembro, segundo 10 corretoras

Mesmo com IOF, mercado prevê queda do dólar

A cobrança do Imposto sobre Operações Financeiras (IOF) de 2% sobre o capital estrangeiro direcionado para bolsa de valores e renda fixa provocou mais polêmica do que efeito prático. Não bastasse o dólar ter voltado a cair depois do impacto inicial da medida, a maioria absoluta dos analistas de mercado financeiro não mudou suas projeções para a cotação da moeda americana para o fim deste ano e de 2010. Uma pesquisa da Agência Estado com 20 instituições financeiras mostra que apenas uma alterou para cima a estimativa. Houve até quem tenha revisado para baixo os números, apesar da taxação - como Bradesco e Bradesco Corretora.

AE, Agencia Estado

26 de outubro de 2009 | 09h19

"Não acreditamos na eficiência da medida para alterar os fluxos de capitais", disse o economista-chefe do Banco Santander e ex-diretor do Banco Central, Alexandre Schwartsman. "O câmbio vai continuar escorregando e pode chegar, no curto prazo, a R$ 1,60", completa o economista-chefe da MB Associados, Sergio Vale. Depois de atingir R$ 1,74 na terça-feira, dia seguinte ao anúncio da nova regra, o dólar voltou a se desvalorizar ante o real. Sexta-feira, caiu 0,70%, e encerrou a semana valendo R$ 1,713.

O economista-chefe da Bradesco Corretora, Dalton Gardiman, lista três razões para justificar por que a cobrança do IOF não altera suas previsões. A primeira delas diz respeito às dúvidas sobre a efetividade, o que leva automaticamente para o segundo fator: a possibilidade de revogação. "Dado o efeito inicial, muitos se perguntam se o governo não voltará atrás."

Por fim, Gardiman lembrou que, nos dias de hoje, há muitas formais legais de o investidor driblar a restrição imposta pelo governo, conforme o Estado informou quinta-feira. Ele e sua equipe revisavam na sexta-feira as projeções para o valor da moeda americana. Para 2009, a cotação de R$ 1,70 foi mantida. Para 2010, porém, os R$ 2,00 seriam revistos para baixo.

O Bradesco também reduziu as estimativas para o câmbio. Para este ano, a taxa foi de R$ 1,80 para R$ 1,60. Para 2010, a previsão passou de R$ 1,75 para R$ 1,65. Os analistas da instituição atribuíram as mudanças, principalmente, ao comportamento das commodities (matérias-primas, com cotação no mercado internacional) exportadas pelo Brasil.

"Os preços de commodities, historicamente, ajudam a explicar a trajetória do real, ainda que nos últimos meses tenha ocorrido um descolamento entre eles, ou seja, o real apreciou mais do que os preços de commodities sugeririam", afirmaram, em relatório. "Mas, olhando para frente, ainda que a elasticidade histórica entre o real e as commodities tenha porventura tido alteração, persiste a máxima de que preços de commodities robustos fundamentam um real ainda apreciado." As informações são do jornal O Estado de S. Paulo.

Tudo o que sabemos sobre:
capital externotaxaçãoprevisão

Encontrou algum erro? Entre em contato

Tendências:

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.