Mesmo com turbulências, País crescerá 5%, diz Mantega

Segundo ele, há saída de dólares do País, mas isso deve ser considerado um "movimento natural"

Fábio Graner e Fernando Nakagawa, da Agência Estado, Agencia Estado

17 de janeiro de 2008 | 15h38

Mesmo com um cenário de turbulência no mercado financeiro, o Brasil deve crescer 5%. Esta é a expectativa do ministro da Fazendo, Guido Mantega. Segundo ele, hoje o País está em um período de saída de dólares, mas isso deve ser considerado um "movimento natural", já que está acontecendo no mercado de ações. Desde o início do ano, a saída de recursos estrangeiros já atingiu R$ 1,877 bilhão.   Veja também: Com fuga de estrangeiros, bolsa atinge menor nível em 4 meses Discurso de Bernanke não anima mercados e Bovespa cai 3% Merrill Lynch tem prejuízo de US$ 9,83 bi no 4º trimestre    Segundo ele, as bolsas têm registrado perdas no mundo todo, refletindo os prejuízos no setor financeiro causados pelos problemas de crédito no segmento de crédito imobiliário de risco (subprime).   Mantega lembrou que os balanços de instituições financeiras divulgados esta semana têm mostrado grandes perdas, até um pouco maiores do que já se esperava. Além disso, as bolsas têm sido influenciadas pelos sinais de desaceleração da economia norte-americana e pelos risco de recessão nos EUA.   O ministro lembrou que em 2007 houve um forte ingresso de capitais no Brasil e que uma oscilação nesse período de turbulência é normal. Ele acredita que este cenário vai perdurar por todo o primeiro semestre. Segundo o ministro, o importante é que a economia brasileira está bem preparada para enfrentar essa turbulência. "O que temos de fazer é manter os fundamentos sólidos", disse.   Pilares da economia   Ele destacou quatro pilares da economia que precisam ser preservados. O primeiro é o fiscal e, nesse sentido, ele ressaltou a importância de se cumprir a meta de superávit primário (arrecadação menos as despesas, exceto o pagamento de juros) e manter o equilíbrio nas contas públicas.   O outro fundamento é o controle da inflação. Nesse item, ele destacou que houve elevação nos índices de preços, mas ressaltou que a inflação brasileira está mais baixa que em outros países emergentes, como China e India. "Temos sucesso na política de controle da inflação", afirmou.   O terceiro pilar a ser preservado é a baixa vulnerabilidade externa e, nesse quesito, o ministro chamou atenção para o volume elevado de reservas. O quarto e último fundamento é o nível de atividade econômica elevado. Trabalhando com um crescimento de 5,3% em 2007 e 5% em 2008, Mantega afirmou que é preciso manter esse ritmo para que as empresas e os bancos continuem sólidos e a arrecadação mantenha o seu crescimento.

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.