Mesmo sem equipe econômica, Guedes assume Agricultura

Sem a presença da equipe econômica do governo, o novo ministro da Agricultura, Luís Carlos Guedes Pinto, assumiu oficialmente a pasta nesta segunda-feira, no Palácio do Planalto. A transferência de cargo, oficializada com assinatura do presidente Luiz Inácio Lula da Silva, contou com um discurso emocionado do antecessor de Guedes, Roberto Rodrigues. Rodrigues foi muito aplaudido pelos empresários do setor e lideranças dos produtores rurais que participavam da cerimônia. Enquanto isso, o novo ministro aproveitou para fazer suas considerações sobre a recém assumida pasta. Segundo ele, a proposta de revisão dos índices de produtividade da terra para fins de reforma agrária é um assunto que é discutido pela Casa Civil. O ex-ministro Roberto Rodrigues impediu, enquanto esteve à frente do ministério, que o assunto fosse levado adiante, mas Guedes Pinto é ligado ao Movimento dos Trabalhadores Sem Terra (MST) e as lideranças do agronegócio temem que ele dê prosseguimento ao projeto. Frentes de trabalho No discurso de posse, Guedes Pinto enumerou as principais frentes de trabalho que pretende se dedicar nos próximos meses. A primeira delas é a agroenergia, que, segundo ele, tem uma perspectiva altamente favorável para o Brasil. O novo ministro afirmou que é uma prioridade consolidar a implantação do Centro Nacional de Agroenergia, recém-criado pela Embrapa. "Há um vasto campo de pesquisa para melhorar os índices de produtividade, tanto no processo de produção agrícola quanto industrial para o álcool e o biodiesel", afirmou. Ele destacou ainda que é preciso aperfeiçoar os mecanismos de integração das diversas instituições públicas e privadas, que estão envolvidos no programa.Outra prioridade é a Defesa sanitária, tanto animal quanto vegetal. Outra prioridade citada foi a melhoria da promoção comercial dos produtos agropecuários no exterior. "É preciso que o Brasil torne-se também exportador de qualidade, além de quantidade, incorporando valor aos nossos produtos e assim conquistando e assegurando mercados", afirmou.Guedes Pinto também citou a necessidade de aprofundamento de estudos sobre política agrícola para que sejam reduzidas as "inevitáveis oscilações inerentes à produção agropecuária, com reflexo na renda do setor, o que gera periodicamente crises e tensões que precisam ser administradas pelos governos".Última prioridade apontada foi a necessidade de reduzir o desequilíbrio na relação entre produtores rurais e processadores de produtos agropecuários. O novo ministro reservou boa parte do seu discurso para elogiar Rodrigues, de quem foi colega de universidade.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.