Meta de exportação em 2004 pode ser de US$ 80 bi, diz Furlan

O ministro do Desenvolvimento, Luiz Fernando Furlan, disse esta manhã que o bom desempenho das exportações este ano dá alento ao governo para colocar a meta de exportações do ano que vem em US$ 80 bilhões. "Aí só faltam US$ 20 bilhões para US$ 100 bilhões", afirmou, referindo-se à meta fixada este ano pelo ministério de alcançar exportações de US$ 100 bilhões em 2006. Furlan disse que os produtos brasileiros são ainda comprados de forma racional. "Não tem emoção aí, só razão", disse. Acrescentando que não tem nada de errado nisso, o ministro afirmou que o Brasil precisa mostrar também o que produz com emoção. Ele comparou um fardo de algodão, apontado como produto sem emoção, com um biquíni brasileiro vestido por uma modelo brasileira, "que tem produto e muita emoção". O ministro disse também que o Brasil tem um "extraordinário produto que se chama presidente Lula". O auditório do 23 º Encontro Nacional de Comércio Exterior (Enaex) aplaudiu neste momento. Furlan disse que o número de países que o presidente visitou deve estar "beirando os 30". Lembrou que o presidente irá a Índia em janeiro; à China no primeiro semestre e mais adiante à Rússia. O ministro afirmou ainda que a meta do plano plurianual de ter em 2007 uma soma de exportações e importações da ordem de US$ 200 bilhões será cumprida e realizada. "Estamos arranhando ainda grandes oportunidades", disse Furlan sobre comércio exterior. Segundo Furlan, há também oportunidades em serviços como no setor de tecnologia da informação e exportações de software. Citando seu avô, ele disse que quem sabe faz, quem não sabe ensina, e quem não faz nada critica. Ele afirmou também que a mídia, muitas vezes, acha que quem exporta é o governo, quando quem exporta, na verdade, são as empresas. Ele lembrou que este ano será terminado com recorde histórico na balança comercial.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.