Informação para você ler, ouvir, assistir, dialogar e compartilhar!
Tenha acesso ilimitado
por R$0,30/dia!
(no plano anual de R$ 99,90)
R$ 0,30/DIA ASSINAR
No plano anual de R$ 99,90

Meta de inflação, a febre e o termômetro

O aumento da Selic tem sido a resposta para os choques de preços, independentemente da sua causa

Antonio Corrêa De Lacerda*, O Estado de S.Paulo

21 de julho de 2018 | 04h00

O Conselho Monetário Nacional (CMN) definiu, em reunião no final de junho passado, uma redução da meta de inflação para 3,75% em 2021, dando sequência às anteriormente definidas, de 4,25% para 2019 e 4,0% em 2020. O Regime de Metas de Inflação (RMI) foi instituído em 1999 e a meta ora vigente, de 4,5% ao ano, está em vigor desde 2005.

É válido e meritório o objetivo de diminuir a meta de inflação ao longo do tempo e, com isso, a “expectativa” de inflação por parte dos formadores de preços.

No entanto, é preciso também evoluir no diagnóstico das causas da inflação brasileira e implementar as medidas adequadas para combatê-las. Do contrário, estaremos apenas mudando a escala do termômetro na tentativa inócua de reduzir a febre do paciente.

A questão é que essa não é uma questão trivial. A forma de enxergar o problema inflacionário e as escolhas das medidas de política econômica para enfrentá-lo envolve custos e benefícios para a sociedade.

Uma primeira observação importante está relacionada ao argumento presente, especialmente no discurso oficial e de seus seguidores, de que a inflação brasileira é elevada comparativamente aos demais países em desenvolvimento. Embora existam de fato países onde as taxas de inflação anual são menores, como os casos geralmente citados, como Chile, com 2%, ou Peru, com 1,5%, isso não é a regra.

Há países de porte, grau de desenvolvimento e complexidade e de estrutura econômica minimamente comparáveis com as nossas que convivem com níveis de inflação média significativamente maiores e semelhantes e até maiores que a brasileira. É o caso da Índia, com 4,0%; África do Sul, 4,3%; México, 4,5%; e mesmo outros com níveis de inflação ainda mais expressivos, como a Turquia, com 12%.

A inflação reflete condições estruturais, envolvendo não apenas a formação de preços em si relacionada ao mercado, como grau de oligopolização e de dependência de importados, mas também transformações, como urbanização, mudanças populacionais e outras que influem no conflito distributivo e, portanto, na formação dos preços relativos.

Nos últimos anos, ocorre de fato um claro processo de desinflação oficial no Brasil. O Índice de Preços ao Consumidor Amplo (IPCA) reduziu-se de 10,7% em 2015 para 6,3% em 2016 e 2,9% em 2017.

Com os efeitos do câmbio, da crise dos combustíveis e outros são esperados 4,2% em 2018 (projeção do Boletim Focus, de 13/7/2018). Mas isso não se deve apenas ao efeito da política monetária praticada, mas à crise, à safra agrícola e à taxa de câmbio.

Portanto, há muitos aspectos envolvendo a inflação, alguns deles os quais temos pouco ou nenhum controle como os exógenos, tais como preços das commodities em geral, com destaque para o petróleo. Ainda questões como a indexação de preços, que tendem a espalhar para a economia os choques localizados.

O aumento da Selic tem sido a resposta para os choques de preços, independentemente da sua causa. A consequência é a prática de uma taxa básica de juros excessivamente elevada para padrões internacionais, o que tanto traz impactos negativos para as contas públicas como inviabiliza o crédito e financiamento ao setor privado.

Estimular a concorrência, outra forma estrutural de combate à inflação, pressupõe mais investimentos na produção, o que se torna difícil com as distorções apontadas, já que as taxas de juros oferecidas nos financiamentos e empréstimos são incompatíveis com a rentabilidade esperada dos projetos, tornando-os economicamente inviáveis.

Portanto, para evitar que a redução da meta de inflação seja só uma tentativa inócua de mudar a métrica do termômetro, é preciso identificar os sintomas da febre, assim como as medidas adequadas para combatê-la de fato.

*PROFESSOR-DOUTOR E DIRETOR DA FEA-PUCSP, É CONSELHEIRO E EX-PRESIDENTE DO CONSELHO FEDERAL DE ECONOMIA (COFECON), COAUTOR, ENTRE OUTROS LIVROS, DE ‘ECONOMIA BRASILEIRA’ (6ª EDIÇÃO, 2018, SARAIVA)

Encontrou algum erro? Entre em contato

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.