Meta de inflação de 2013 segue em 4,5%

IPCA mais próximo do teto do que do centro do alvo em 3 dos 4 últimos anos e temor de freada dificultam debate sobre redução da meta

Adriana Fernandes, Renata Veríssimo e Fabio Graner / BRASÍLIA, O Estado de S.Paulo

22 de junho de 2011 | 00h00

A equipe do Ministério da Fazenda não tem dúvida de que o Conselho Monetário Nacional (CMN) fixará em 4,5% a meta de inflação para 2013. Esse é o quadro dado como certo, já que o ambiente de inflação elevada inviabilizou a redução do alvo.

O IPCA rodando mais próximo do teto do que do centro da meta em três dos quatro últimos anos (já incluindo 2011) e o temor de uma desaceleração mais forte do crescimento da economia dificultaram o debate sobre alterações no regime de metas de inflação neste primeiro ano do governo Dilma Rousseff.

A fixação agora da meta de 4,5% para 2013 e a ratificação para 2012 são encaradas como uma decisão "necessária e sem novidades", segundo apurou o Estado. O entendimento da área econômica é de que não faria sentido, neste momento de esforço de convergência do IPCA para o centro da meta de 4,5%, diminuir o seu valor.

Uma meta menor exigiria um aperto mais forte de juros, com impacto no ritmo de crescimento econômico. Hoje, a maior preocupação do governo, junto com câmbio valorizado, é justamente o risco de uma desaceleração econômica acima do desejável. A esse cenário se somam as incertezas do panorama internacional com a crise financeira na zona do euro e a retomada mais lenta da economia dos Estados Unidos. Além disso, há risco de a convergência para o centro da meta só ocorrer em 2013, como já apontam os analistas do mercado financeiro.

Sem mudança. Desde 2006, quando a banda de tolerância da meta de inflação foi reduzida de 2,5 para 2 pontos porcentuais, que não se faz qualquer mudança nesse pilar da política econômica brasileira. Naquele ano, a inflação entrou em uma intensa trajetória de queda (fechou abaixo de 4%) e levou a uma discussão no governo sobre a possibilidade de reduzir o centro da meta de 4,5% para 4%.

O ministro da Fazenda, Guido Mantega, travou no governo Lula uma dura batalha nos bastidores com o ex-presidente do Banco Central Henrique Meirelles para manter a meta em 4,5%. Meirelles avaliava que aquele era o momento de reduzir a meta brasileira para níveis mais próximos dos praticados nos países mais ricos, mas não conseguiu convencer o presidente.

A vitória na disputa com Meirelles foi considerada por fontes próximas a Mantega como crucial para que a agenda desenvolvimentista dele pudesse ser implementada, com menor risco de ser abortada por um excesso de conservadorismo do BC. No ano seguinte, a implementação do Programa de Aceleração do Crescimento (PAC) consolidou o movimento.

O ambiente de inflação mais alta, por outro lado, também dificulta propostas de caráter mais desenvolvimentista para o regime de metas, como alongar formalmente o prazo de cumprimento. Esse modelo é praticado em muitos países que operam com metas inflacionárias e almejado por técnicos com perfil mais pró-crescimento, já que dá mais flexibilidade para o BC gerenciar a política de juros.

Encontrou algum erro? Entre em contato

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.