Coluna

Thiago de Aragão: China traça 6 estratégias para pós-covid que afetam EUA e Brasil

Meta de superávit está segura, diz Furlan

O ministro afirmou também que a meta de superávit comercial de US$ 20 bilhões para este ano "está bastante segura". "A meta que estabelecemos recentemente de ultrapassar US$ 20 bilhões está bastante segura. E a meta de aumentar em US$ 8 bilhões as exportações já está ultrapassada", disse, durante fórum com secretários de Indústria dos Estados, na sede do Ministério. O ministro afirmou ainda que o desafio é aumentar as exportações de 10% a 15% ao ano para, ao fim de 2006, atingir a meta de US$ 100 bilhões anuais. De acordo com o ministro, para se obter essa meta o País terá de investir em infra-estrutura. "Esse aumento de exportação acarretará no transporte de 200 milhões de toneladas adicionais entre os centros de produção e os portos. Isso significa infra-estrutura que nós não temos", disse. Juros reais de 1 dígito ainda em 2003O ministro reafirmou hoje que é possível ter uma taxa de juros real de um dígito ainda neste ano. ?Ouvi comentários, hoje, de que a taxa real, depois dessa queda de ontem, foi para entre 11% e 13% ao ano, dependendo do índice de inflação que se use. Se imaginarmos que ainda faltam três meses para o final do ano e três reuniões do Copom, podemos esperar, em pelo menos uma delas, uma nova redução de juros?, disse, durante reunião com secretários de indústria dos Estados. De acordo com Furlan, o governo se aproxima do ?compromisso de ter uma taxa de juros reais de um dígito?. Ontem, o Copom reduziu os juros básicos de 22% ao ano para 20%.

Agencia Estado,

18 de setembro de 2003 | 12h37

Encontrou algum erro? Entre em contato

Tendências:

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.